i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Contra a austeridade

Confronto entre policiais e manifestantes portugueses termina com 7 presos

Porta-vozes da Polícia de Segurança Pública (PSP) informaram que das 48 pessoas feridas, 21 são agentes e 27 manifestantes

  • PorEFE
  • 14/11/2012 18:13

Sete detidos e 48 feridos é o balanço provisório divulgado pelas autoridades portuguesas após o confronto entre centenas de policiais e manifestantes ocorrido na frente Parlamento do país, onde concluiu a principal manifestação da greve geral organizada nesta quarta-feira (14) em Portugal.

Porta-vozes da Polícia de Segurança Pública (PSP) informaram que das 48 pessoas feridas, 21 são agentes e 27 manifestantes, enquanto os sete detidos serão acusados de desobediência e prestarão depoimento perante o juiz amanhã.

Em declarações aos jornalistas, Jairo Campo, porta-voz da PSP, ressaltou que a intervenção policial aconteceu depois que os agentes avisassem duas vezes aos manifestantes para que se dispersassem das imediações do Parlamento.

A polícia justificou sua intervenção devido ao lançamento de pedras e garrafas durante mais de duas horas contra o cordão de segurança que protegia o Parlamento.

Fontes dos sindicatos da Polícia consideraram os distúrbios de hoje como os mais graves das duas últimas décadas.

O ministro do Interior, Miguel Macedo, defendeu a atuação dos agentes, enquanto uma das associações que convocaram a greve qualificou o ocorrido de "atentado à liberdade e à democracia", além de denunciar que a polícia bateu em idosos e crianças.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.