i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Negócios

Construtora PDG entra com pedido de recuperação judicial

Companhia comunicou o mercado que não conseguiu melhorar a gestão com a renegociação de dívidas

  • PorDa Redação
  • 22/02/2017 13:53
Terreno da PDG em Curitiba: construtora pediu recuperação judicial. | Aniele Nascimento/Aniele Nascimento
Terreno da PDG em Curitiba: construtora pediu recuperação judicial.| Foto: Aniele Nascimento/Aniele Nascimento

A PDG Realty, uma das maiores construtoras do país, divulgou nesta quarta-feira (22) que entrou com pedido de recuperação judicial. A companhia vinha há alguns anos buscando sanear seu balanço e, desde agosto de 2015, conduzia um processo de renegociação de dívidas com seus credores, que culminou em maio de 2016 em um acordo que não conseguiu salvar a empresa.

Em comunicado ao mercado, a PDG diz que a reestruturação não foi suficiente para resolver as dificuldades de gestão e para dar continuidade aos empreendimentos em construção. A empresa diz que enfrentou um número elevado de distratos – quando os imóveis comprados antes de prontos são devolvidos –, queda nas vendas e elevação de dívidas para a manutenção de imóveis prontos, como débitos de condomínio e IPTU.

No fim do ano passado, a PDG contratou a consultoria da RK Partners para tentar uma segunda rodada de renegociação com os bancos e tentou acelerar a venda de ativos para fazer caixa. Esse esforço, segundo o comunicado, não foi suficiente para normalizar as atividades da construtora.

Com o comunicado, as ações da PDG pararam de ser negociadas na manhã desta quarta na Bovespa. A empresa ainda fará uma assembleia para ratificar o pedido de recuperação que, posteriormente, terá de ser aceito pela Justiça.

Nos primeiros nove meses do ano passado, a PDG teve um prejuízo de R$ 2,8 bilhões, quase quatro vezes o prejuízo no mesmo período de 2015. No mesmo período, suas receitas operacionais caíram de R$ 1,6 bilhão para R$ 175 milhões.

Fundada por ex-sócios do Banco Pactual, a PDG entrou para o grupo das maiores construtoras do país durante o último boom imobiliário. Em 2010, ela comprou a Agre, que tinha consolidado ativos da Abyara, Agra e Klabin Segall. No ano seguinte, ela bateu um recorde, lançando R$ 9 bilhões.

Com a retração do mercado imobiliário, a empresa acumulou um banco de terrenos e apartamentos prontos. Ao mesmo tempo, ela passou a ter problemas com o estouro de orçamentos e de prazos de entrega. Já em 2012 ela teve um prejuízo de mais de R$ 2 bilhões.

De 2012 para cá, sócios da construtora fizeram dois aportes de capital, insuficientes para evitar a espiral que combina dívida crescente e dificuldades de vendas. A dívida no ano passado estava em mais de R$ 5 bilhões e calcula-se que já tenha passado de R$ 7 bilhões.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.