i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise

Consultoria diz que pobreza atinge 31,8% dos argentinos

A pesquisa sobre o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da consultoria mostra que a cesta básica de alimentos subiu 11,3% em junho e acumula alta de 5,1% em 2009

  • Poragência estado
  • 20/07/2009 12:25

A pobreza na Argentina atingiu 12,7 milhões de pessoas (31,8% da população) e a indigência afetou 4,7 milhões (11,7% da população) no primeiro semestre de 2009, segundo levantamento realizado pela consultoria Ecolatina. A pesquisa sobre o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da consultoria mostra que a cesta básica de alimentos subiu 11,3% em junho e acumula alta de 5,1% em 2009. O índice da cesta básica é usado para medir a linha de indigência. Segundo a pesquisa, mais de dois terços da alta da cesta foram provocados pelos aumentos de preços em produtos como batata inglesa, carne e leite.

Um adulto na Argentina precisou de 261,7 pesos (R$ 131,47) em junho para comprar os produtos básicos da cesta. Para uma "família padrão", composta por pai, mãe e dois filhos, a cesta básica custou 809 pesos (R$ 406,44). Por outro lado, a cesta básica total, usada para medir o número de pobres, chegou a 539 6 pesos (R$ 271,19) para um adulto e a 1.667,3 pesos (R$ 837,96) para uma "família padrão".

"Apesar das cifras oficiais, há dois anos a pobreza e a indigência aumentam na Argentina", afirma a consultoria. Para o Instituto Nacional de Estatísticas e Censos (Indec), a pobreza atinge 15% da população, ou seja, a metade do índice medido pela Ecolatina. A consultoria afirma que a aceleração dos preços explica o aumento da pobreza e da indigência, mas a situação piorou com o contexto mundial de crise financeira, que provocou problemas de emprego. Em um contexto de recessão e de inflação alta, a consultoria afirma que "é preocupante" um aumento dos preços das cestas básicas.

Para os analistas do mercado local, a economia argentina entrou em recessão no primeiro trimestre de 2009, após uma desaceleração iniciada em agosto de 2008. Para o governo da presidente Cristina Kirchner, a economia argentina só parou de crescer em maio passado. De acordo com o Indec, em maio o "Emae" (estimativa mensal de evolução da atividade econômica), indicador que funciona como uma prévia do Produto Interno Bruto (PIB), teria atingido o nível zero. Eliminando os efeitos sazonais, a economia argentina teria crescido 0,1% em relação a abril. Para o Indec, a indústria acumula um crescimento de 1,4% de janeiro a maio de 2009.

Como os números do Indec já não refletem a realidade do país desde janeiro de 2007, a partir de quando os analistas afirmam que o governo iniciou um processo de intervenção nos cálculos das estatísticas, as entidades de classe e as consultorias elaboram suas próprias estimativas. Na primeira semana de julho, um relatório da União Industrial Argentina (UIA) mostrou que a atividade industrial no país em maio sofreu uma queda de 10,9% e nos primeiros cinco meses do ano, a retração foi de 10%. Para as consultorias de Orlando Ferreres & Associados, Ecolatina, Negócios & Regiões, as projeções para a atividade industrial indicam que a queda acumulada em 2009 varia de 7% a 9%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    Fim dos comentários.