Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Brasileiro reduziu o consumo de café moído e está comprando mais café solúvel, segundo a Kantar.
Brasileiro reduziu o consumo de café moído e está comprando mais café solúvel, segundo a Kantar.| Foto: Unsplash

A alta na inflação está forçando uma mudança de hábitos por parte do consumidor brasileiro, aponta a empresa de consultoria e pesquisas Kantar. “O bolso está mais apertado”, diz Renato Mello, gerente sênior de novos negócios da empresa.

Levantamento da empresa mostra que 63% das pessoas disseram que estão mais cautelosas e só compram aquilo que já haviam se programado para adquirir. Também estão aproveitando mais promoções (46%) e trocaram suas marcas favoritas por opções mais baratas (24%).

Produtos são trocados por similares com preços mais acessíveis e, apesar de o consumo de commodities ter caído 1,4% no período, o impacto no valor gasto no carrinho de compras do brasileiro aumentou de 12%, no ano passado, para 14%.

A pesquisa acompanhou a rotina de 11,3 mil lares de todas as regiões e classes sociais no país e representa uma amostra de 59 milhões de lares no Brasil.

Brasileiro diminui gasto fora de casa e dá prioridade ao consumo no lar

As despesas com alimentação e bebida dentro do lar, higiene e limpeza caseira já representam mais de 50% do orçamento doméstico. Nas classes D e E, este percentual salta para 60%.

E com uma inflação acumulada de 21,15% nos últimos 24 meses, segundo o IBGE, o consumidor está diminuindo o gasto fora de casa e dá prioridade ao consumo no lar. No comparativo entre os primeiros trimestres de 2020 e 2022, os gastos domésticos aumentaram 3%, enquanto os fora do domicílio caíram 3,5%.

A exceção é São Paulo, que mantém o crescimento do consumo fora de casa maior do que há dois anos. Um dos fatores que contribui para isso é que a taxa de vacinação da população acima de cinco anos é de 92% no estado, dez pontos porcentuais acima da média nacional.

Com esse cenário de inflação mais elevada, outra estratégia adotada pelo consumidor é a redução no número de itens comprados. O patamar já é o menor desde o início da pandemia. A queda é de 2% em relação ao primeiro trimestre de 2020.

“O cenário exige importantes reflexões sobre portfólio, tamanho de embalagem e clareza quanto ao posicionamento de preço”, informa a consultoria. Ela ressalta que fora do lar, o principal desafio é elevar a frequência de consumo.

Desemprego e informalidade também afetam o consumo

Outro problema que afeta o consumo é a taxa de desemprego, que diminuiu nos últimos meses mas segue elevada, e a alta informalidade – são 39,1 milhões nessa situação, o número mais elevado da série histórica da pesquisa Pnad Contínua, iniciada em 2012.

Outro problema é que, embora o mercado de trabalho tenha reagido em termos de geração de emprego, os salários – dos trabalhadores formais e informais – não acompanharam esse movimento. Os rendimentos reais, já descontada a inflação, estão menores que um ano atrás. O poder de compra, portanto, caiu.

"Diferentemente da Europa ou dos Estados Unidos, a grande maioria dos consumidores não acumulou reservas durante o período de isolamento que poderiam ajudá-los a enfrentar a escalada dos preços", aponta Cecília Alva, diretora de clientes e novos negócios para a América Latina da divisão World Panel da Kantar.

O segundo ano de pandemia impulsionou o crescimento de renda informal, que passou de 7% do total, em 2020, para 14%, em 2021. E, agora, com o fim dos auxílios governamentais, principalmente a classe C deve ser impactada negativamente.

Consumidor está comprando menos café moído, leite longa vida e óleo de soja

Uma destas mudanças está em um habito típico do brasileiro: tomar cafezinho. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos últimos 12 meses, o preço do café moído aumentou 65,41%. Ele está sendo substituído pelo café solúvel, que teve uma alta menor: 19,3%.

A Kantar detectou uma queda de 2% na compra de unidades de café moído e um aumento de 30% em unidades de café solúvel consumidas no comparativo entre os primeiros trimestres de 2021 e 2022, com destaque para o Norte e Nordeste, onde houve uma alta de 58%. Esta mudança também se reflete em uma queda no consumo de filtro de papel.

Outro produto que está perdendo espaço no carrinho do brasileiro é o óleo de soja, cujo preço subiu 32,59% nos últimos 12 meses. O consumo em unidades caiu 4,9%.

Segundo a Kantar, o espaço vem sendo ocupado pelos óleos especiais, como o de girassol, milho e canola, cujo consumo aumentou 27,8% entre os primeiros trimestres de 2021 e 2022. Além do preço, outra questão que está favorecendo é o fato de serem mais relacionados a hábitos saudáveis.

Quem também perdeu espaço foi o leite longa vida. Houve uma queda de 2,3% no consumo entre os períodos. E o preço aumentou 29,14% no acumulado de 12 meses encerrados em junho.

A Kantar destaca que a crise nas commodities é um ponto de atenção no comportamento do consumidor, mas que, ao mesmo tempo, abre espaço para crescimento de categorias substitutas que têm experimentado menor variação no preço.

Consumo de "snacks" e bebidas alcoólicas cresce em casa

Dentro de casa, cresceu o consumo de bebidas alcóolicas e a frequência de compra de "snacks". A consultoria também enfatiza que este comportamento está relacionado à proteção contra a alta de preços e suprir a necessidade de comer fora de casa. Ela aponta que o consumo de refeições completas fora de casa exige desembolso quatro vezes maior do que apelar para snacks.

Mello também destaca que cresceu o consumo de proteínas mais baratas, como linguiças e empanados, e de bebidas como água mineral e sucos. “Os consumidores estão procurando mais prazer e praticidade dentro de casa”, cita a consultoria.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]