i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Justiça

Empresas são obrigadas a endossar bilhetes para passageiros com urgência

  • PorHelena Carnieri
  • 06/11/2007 19:13

A poucas semanas das férias de fim de ano, que prometem novas reclamações relacionadas a viagens aéreas, um grupo de entidades de defesa do consumidor do país, entre elas o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), conseguiu, na Justiça, obrigar as companhias a fornecer mais informações aos passageiros e endossar passagens em caso de urgência.

Pela decisão, no momento do check in, a companhia deve informar a situação do vôo, hora provável de decolagem, portão de embarque e motivo de eventuais atrasos. Os dados sobre os vôos devem ser atualizados a cada 15 minutos via sistema de som e painel eletrônico, incluindo o tempo de atraso mínimo.

Se o consumidor comprovar a urgência do embarque, a empresa está obrigada a endossar imediatamente o bilhete para o primeiro vôo disponível em qualquer companhia.

Procon

O número de reclamações contra empresas aéreas ao Procon do Paraná aumentou 14% entre janeiro e outubro de 2006 (258 atendimentos) e o mesmo período deste ano (296). Os principais motivos de atendimento este ano foram danos materiais e pessoais (63), seguidos pelo cancelamento do contrato (49), devolução de valores pagos (40), dúvidas sobre cobrança (32), cobrança indevida (20) e desaparecimento de mercadoria (16). Os casos relacionados a danos morais são tratados exclusivamente na Justiça.

Mas é comum o consumidor estar munido de poucos documentos quando reclama. "As pessoas não guardam notas fiscais para comprovar os prejuízos que tiveram", diz a coordenadora do Procon, Ivanira Gavião Pinheiro.

É preciso guardar comprovante de todo o gasto realizado no período que exceder quatro horas de atraso do vôo. "Depois desse período o passageiro tem direito a ter seus gastos com hotel, transporte, alimentação e até telefone custeados pela companhia aérea. E se tiver prejuízo com a perda de um compromisso deve procurar o Juizado Especial", explica a advogada da associação de defesa do consumidor Proteste, Karin Veloso.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.