i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Safra de verão

“Crédito é bom, mas acaba saindo caro no final das contas”

  • Por
  • 24/09/2008 21:33

Os juros que os produtores rurais vão pagar pelos financiamentos de custeio – 6,75% – são menores que os praticados na última década. No entanto, há produtores optando por investir mais recursos do próprio bolso.

"O produtor precisa ter recursos suficientes e na hora certa. Entretanto, se puder evitar financiamento, é melhor. O crédito é bom, mas acaba saindo caro no final das contas", afirma o produtor Nelson Paludo, de Toledo (Oeste).

Ele considera que, quando não pode pagar, o agricultor precisa alongar a dívida e assume juros por um período maior. Além disso, argumenta, tomar dinheiro emprestado demanda tempo e trabalho. "É preciso, muitas vezes, pagar para que alguém levante toda a documentação necessária."

Paludo conta que, neste ano, ao invés de 80%, como de costume, vai financiar 50% do plantio. Em cultiva 270 hectares com milho (30%) e soja (70%) no verão. Para isso, afirma, está adiando a compra de máquinas novas.

Em parte, essa estratégia surge pelas próprias dificuldades enfrentadas todo ano no início das liberações, relata. Até ontem, por exemplo, ainda havia médios produtores com dificuldade para financiar custeio e maquinário através do Proger. Segundo os bancos, os problemas, relacionados à fonte de recursos, o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), já tinham sido resolvidos.

Uma das principais reivindicações dos produtores, a redução da burocracia para a tomada de financiamentos, só deve ser atendida a partir do próximo anos. Eles reivindicam o crédito rotativo, para não ter mais de apresentar os mesmos documentos todos os anos aos bancos. A idéia, que ainda vem sendo discutida entre instituições financeiras e governo federal, é estabelecer um limite para cada produtor. Quem tem limite de R$ 200 mil por safra e deve R$ 50 mil, poderia tomar automaticamente mais R$ 150 mil. (JR)

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.