i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Fórum Econômico Mundial

Davos debate criação de empregos como desafio

Evento começou nesta quarta-feira (25) nos Alpes suíços com um acalorado debate sobre o modelo econômico

  • PorAgência Estado
  • 25/01/2012 09:28

A capacidade de geração de empregos desponta como o principal desafio no atual ambiente de crise do capitalismo. A insatisfação com a falta de postos de trabalho está refletida no forte descontentamento entre os jovens, especialmente afetados pela situação econômica desfavorável nos países desenvolvidos. Na busca por saídas, a palavra "inovação" é a que mais aparece entre os participantes do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

O evento começou nesta quarta-feira (25) nos Alpes suíços com um acalorado debate sobre o modelo econômico. Estaria o capitalismo do século 20 falhando em atender a sociedade do século 21? "Sim, perdemos a bússola moral", disparou a secretária-geral da International Trade Union Confederation (ITUC), Sharan Burrow. "Talvez (o problema) não seja o sistema, mas a forma como o executamos", defendeu o presidente da Alcatel-Lucent, Ben Verwaayen.

O fundador e diretor-gerente do Carlyle Group, David Rubenstein, parafraseou o ex-primeiro-ministro britânico Winston Churchill: "O capitalismo é o pior sistema, exceto todos os outros". Ele acredita que o modelo foi o que criou mais bem-estar, só que possui imperfeições, tanto que atualmente o mundo desenvolvido vive as consequências da recessão. "O principal problema do capitalismo são os ciclos de alta de baixa".

Raghuram Rajan, professor da Universidade de Chicago e uma das principais vozes desta crise, avalia que a grande ameaça ao capitalismo é a quantidade de pessoas que estão sem emprego e, portanto, fora do sistema. O descontentamento entre os jovens é evidente, especialmente em países como a Espanha e a Grécia, onde a taxa de desemprego entre os mais novos é extremamente elevada. Verwaayen, da Alcatel-Lucent, concorda que o principal desafio do mundo em transformação é a criação de empregos. "Precisamos falar em inovação, sustentabilidade e reformas", disse. "A principal questão é que o crescimento está desacelerando no Ocidente e precisamos revitalizá-los com mais inovação", afirmou Rajan.

Os especialistas também debateram a ascensão do chamado "capitalismo de estado", cujo principal representante é a China, onde o governo direciona a criação de empregos. "Se os problemas do Ocidente não forem resolvidos, o capitalismo de estado vai prevalecer, mas não sabemos se ele trará empregos com melhor remuneração", afirmou Rubenstein, do Carlyle.

Na busca por vilões para a crise do capitalismo, é impossível deixar de apontar os bancos. As instituições financeiras atingiram o tamanho de grandes demais para falir. Isso significa que, se tiverem problemas, terão de ser obrigatoriamente socorridas pelos governos. Rajan, um dos primeiros a denunciar o nível de risco do sistema antes da explosão da crise, reafirma que esse é um problema. Mas, mostra-se contrário ao desmembramento das instituições. "A solução não é criar bancos menores, é fazer os grandes funcionarem melhor".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.