i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Negócios

Delivery aéreo: drones da Speedbird farão entregas para iFood e B2W

  • PorPatrícia Basilio, especial para a Gazeta do Povo
  • 23/11/2019 20:50
Delivery aéreo: drones da Speedbird farão entregas para iFood e B2W
| Foto: Divulgação/Speedbird

Não é de hoje que os drones são considerados uma alternativa para contornar os congestionamentos das grandes cidades. Segundo a consultoria PwC, o mercado global de serviços que usam as aeronaves não tripuladas deve chegar a US$ 127 bilhões em 2020, dos quais 10% devem vir da área de logística. Em cinco anos, prevê a Singularity University, os drones devem fazer 10 milhões de voos diários para entregas em todo o mundo.

A Speedbird Aero é uma das empresas brasileiras que busca aproveitar o potencial logístico das aeronaves. Ela criou um projeto de delivery por drones que está sendo implantado por empresas como iFood e B2W – dona de marcas como Americanas.com, Submarino e Shoptime.

Samuel Salomão, cofundador da startup, diz que a ideia nasceu quando ele morava no Arizona (EUA) e trabalhava para uma empresa de telemedicina. Cientista da computação, ele sugeriu à companhia entregar medicamentos por drones para agilizar a logística e beneficiar os clientes. Ouviu uma negativa dos gestores, mas não desistiu da ideia: voltou ao Brasil em 2017 e criou seu próprio negócio na área. “Durante um ano, só colocamos dinheiro próprio e investimos no capital intelectual. Só conseguimos os primeiros clientes em 2018. Foram dois anos de puro suor”, afirmou ele.

Delivery por drones

O mercado tem potencial, mas ao mesmo tempo há muitos interessados em explorá-lo. Boa parte das empresas criadas em meio à "febre" já fechou.

Especialista no setor, Emerson Granemann, fundador da MundoGEO, conta que um mapeamento feito em 2015 apontou a existência de 720 empresas na área de drones. Hoje, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) registra a existência de 4 mil companhias – número justificado pela incorporação dos drones em tarefas de empresas de outros segmentos. A sobrevivência desse negócios, contudo, é baixa.

“Muitas das companhias mapeadas em 2015 não existem mais porque as pessoas não conseguiram se manter ou porque achavam que podiam fazer tudo, desde filmar casamentos a trabalhar com agricultura. Com o tempo, elas descobriram que o trabalho exige conhecimentos e equipamentos específicos”, diz Granemann.

Com dez clientes no portfólio, a Speedbird, com sede em Franca (SP), está atualmente colhendo dados do iFood e da B2W para entender como os drones podem melhorar o delivery dessas empresas. A partir dessas informações, a startup vai desenhar o processo logístico das companhias, de acordo com as normas da Anac e da Força Aérea. “Não vamos voar para qualquer lugar. Este tipo de projeto leva de cinco a seis meses. A tecnologia é nova para todo mundo. Estamos todos aprendendo”, analisou.

A previsão tanto do iFood quanto da B2W é que as entregas por drones comecem no primeiro semestre de 2020.

Drones não vão entregar os produtos "pela janela"

Apesar de o drone prometer otimizar a logística, as encomendas não serão entregues "nas janelas" dos clientes, advertiu Salomão. No projeto brasileiro, a aeronave será integrada aos demais meios de transporte, como carro, motocicleta e patinete. “As casas não têm estrutura para receber um drone. A ideia é utilizar uma malha aérea e hubs onde os produtos chegarão e serão integrados com outros modais”, explicou o empresário.

Sem revelar seu faturamento, Salomão planeja iniciar 2020 com novos projetos e mais clientes em sua carteira, uma vez que os primeiros resultados com o iFood e com a B2W devem aumentar a exposição da marca. “Também vamos buscar o apoio do governo brasileiro para atuar em questões humanitárias em locais remotos do país. Queremos levar medicamentos e alimentos para pessoas que têm pouco acesso à saúde.”

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • W

    wilson martins

    ± 0 minutos

    tem traficante que ja vende po em drone !!!! entrega no quintal de casa e em cima do prato so esticar e mandar euaheuaheuaheuaehuae

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]