i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Setor automotivo

Demissões na Volkswagen mobilizam governo, mas socorro não deverá sair

Montadora anunciou nesta terça-feira o desligamento de 800 funcionários na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista

  • PorEstadão Conteúdo
  • 06/01/2015 16:33
Trabalhadores da Volkswagen decidiram entrar em greve após demissão de 800 trabalhadores em São Bernardo | Adonis Guerra/ Sindicato dos Metalúrgicos do ABC
Trabalhadores da Volkswagen decidiram entrar em greve após demissão de 800 trabalhadores em São Bernardo| Foto: Adonis Guerra/ Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

As 800 demissões na Volkswagen no ABC paulista, berço do PT, mobilizaram nesta terça-feira (06) o núcleo central do governo. Os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, foram chamados ao Palácio do Planalto para discutir o problema com o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, e o ministro-chefe da Secretaria Geral, Miguel Rossetto, responsável pelo contato com os movimentos sociais e centrais sindicais.

Pouco antes, o ministro do Desenvolvimento, Armando Monteiro, havia recebido o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, para ouvir um relato sobre as demissões.

No que promete ser o primeiro grande teste da nova diretriz de política econômica, o governo não pretende adotar medidas de socorro. "Em princípio, não", disse Armando Monteiro. "Não para a realidade que está posta."

Em outra frente, o ministro do Trabalho, Manoel Dias, telefonou para o presidente da Volkswagen, Thomas Schmall, para oferecer a intermediação do governo nas negociações entre empresa e sindicato.

"Sacrifícios"

Nas reuniões no Planalto, Levy e Barbosa insistiram sobre a importância de o governo não recuar da decisão de elevar o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos automóveis, que entrou em vigor no dia 1º de janeiro.

Para a equipe econômica, este é um novo momento, de ajustes, em que é preciso que sejam feitos sacrifícios. Eles ponderaram que a indústria automobilística poderia contribuir com sua parte, depois de terem sido beneficiadas por tanto tempo com e reduções de impostos.

Desde a crise de 2008, e até janeiro de 2014, o governo abriu mão de arrecadar R$ 12,3 bilhões em IPI das montadoras.

O entendimento no governo é que as montadoras passam por dificuldades, assim como o restante da indústria. "É uma conjuntura própria das flutuações em todos os mercados", disse Monteiro. Ele observou que outras empresas também têm feito ajuste em seus quadros - porém, com menor repercussão política do que a vista no setor automobilístico.

Mas, segundo Monteiro, a Anfavea não pediu ajuda. A conversa com Moan restringiu-se a uma explicação sobre por que a Volks realizou as demissões e uma avaliação que essa não é uma tendência generalizada no setor. "Não há nenhuma posição de buscar socorro, nem medida salvadora", disse.

Haverá, porém, pressões políticas. "Naturalmente a preservação do emprego, principalmente de empresas que tiveram algum tipo desoneração ou benefício, é uma coisa que vamos defender", afirmou o presidente nacional do PT, Rui Falcão, no Palácio do Planalto. Ele ressalvou não conhecer a extensão e as razões dos desligamentos.

Negociação

Segundo o relato de Moan a Monteiro, a Volks vinha, desde meados do ano passado, negociando um Plano de Demissão Voluntária (PDV) para 2.100 funcionários. Queria, também, não conceder reajustes em 2015 e 2016, mas pagar apenas um abono.

A proposta foi rejeitada pelo sindicato. Por isso, 800 dos 2 mil funcionários que retornaram do período de lay-off receberam uma carta na qual são informados de sua demissão a partir de 6 de fevereiro. "Mas há flexibilidade da empresa em retomar as negociações", disse Monteiro.

Essa foi também a avaliação de Manoel Dias. Ele afirmou que continuará trabalhado na mediação e considera ser possível um bom termo.

"Os dois lados demonstraram a intenção de dialogar e encontrar uma saída para que não aconteçam as demissões. Acredito que mantendo esse diálogo, essa disposição de ambas as partes, poderemos encontrar uma solução", afirmou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.