i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Retomada da economia

Além da vacina: para crescer, país terá de superar heranças da crise e desafios estruturais

  • 16/01/2021 21:14
crescimento pós pandemia
Imagem de arquivo da fábrica da New Holland, em Curitiba: setor industrial sofre com falta de insumos por conta da pandemia.| Foto: Ricardo Almeida / ANPr

As projeções dos especialistas para a economia brasileira em 2021 consideram um cenário em que a vacinação contra a Covid-19 começaria a proporcionar uma espécie de “volta à normalidade”, mesmo que em ritmo lento. Mas, mesmo que seja fundamental, a imunização, sozinha, não é suficiente para a retomada do crescimento: para evitar uma nova década perdida, o país tem outros entraves a superar.

Alguns deles estão relacionados à própria pandemia. O descontrole da contaminação pelo novo coronavírus em território nacional provocou, também, a desorganização de cadeias produtivas. E não basta reativar fábricas para que a produção volte, de fato, ao normal.

No final do ano passado, sondagens da Confederação Nacional da Indústria (CNI) revelaram as dificuldades na obtenção de insumos e matérias-primas. Na edição mais recente do levantamento, divulgada em novembro de 2020, 75% das empresas da indústria geral e 73% das que são da área da construção disseram estar com dificuldades para obter matérias-primas ou insumos domésticos.

No caso da construção – setor que se manteve aquecido mesmo durante a crise –, empresas chegaram a se organizar para importar matéria-prima, de modo a garantir o cumprimento dos cronogramas das obras.

Na mesma pesquisa da CNI, a maior parte dos industriais (47% da indústria de transformação e extrativa, e 45% da indústria da construção) disse esperar a normalização da oferta de insumos no primeiro trimestre de 2021. Parcela expressiva (32% no primeiro grupo e 35% no segundo), porém, afirmou esperar uma regularização no fornecimento somente no segundo trimestre deste ano.

Renato da Fonseca, gerente-executivo de Economia da CNI, explica que a desorganização das cadeias ocorreu pela forte queda da atividade registrada em março e abril. “A incerteza era muito grande e, por isso, foi implementada uma estratégia para evitar acumular estoque. Isso ocorreu de forma desorganizada. Alguns setores conseguiram retomar a produção rapidamente, mas outros, não”, detalha.

O caso mais emblemático é o da indústria siderúrgica, em que houve o desligamento de fornos. “Quando você desliga um forno desses, leva muito tempo para poder religá-lo. Não é igual ao forno de casa”, completa Fonseca.

Otto Nogami, economista e professor do Insper, aponta, ainda, para as pequenas e médias empresas que não sobreviveram aos meses mais agudos da crise. “Essas empresas estão na base da cadeia produtiva. Leva um tempo até você recuperar a condição de oferta que foi aniquilada com a quebradeira”, explica.

Setor automotivo espera normalização da cadeia

Um dos setores afetados pela falta de componentes foi o automotivo. No final do ano, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Carlos Moraes, chegou a afirmar que o setor poderia ficar parado por conta da falta de insumos.

Agora, de acordo com Moraes, a preocupação segue existindo, mas há a expectativa de normalização. "Esperamos que haja certa volatilidade no mercado, mas não tão grande como foi no final do ano. De qualquer forma, temos que ficar atentos por causa da segunda onda [da pandemia], que pode afetar os fornecedores de fora e também os locais", explicou.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), as fábricas do setor automotivo operaram, em média, com 69,33% de sua capacidade instalada nos últimos quatro meses. A média antes da crise era de 83,54%. A indústria de transformação como um todo operou, em média, com 79,25% de sua capacidade instalada.

Real desvalorizado aumenta custos de produção, mas favorece exportação

Outro problema relacionado à pandemia, que deve pairar sobre a economia durante mais alguns meses, é o aumento da inflação. A desvalorização do real pressionou os valores de insumos, já que, mesmo que a matéria-prima não seja importada, parte dos produtos é negociada com base no preço em dólar. Reflexo disso foi, por exemplo, a alta nos preços dos alimentos.

“Se você não tem matéria-prima, os produtores começam a disputar e há uma pressão natural nos preços. Isso é intensificado pela desvalorização cambial”, explica Fonseca, da CNI.

O fenômeno se reflete no Índice de Preços ao Produtor (IPP), medido pelo IBGE. Em outubro, o indicador atingiu o pico no ano, de 3,41% na comparação com o mês anterior. Se, no caso dos alimentos, o aumento acaba na mesa do consumidor, outros segmentos não podem simplesmente repassar os custos ao produto final, por conta da concorrência.

De qualquer modo, o dólar alto não tem só aspectos negativos. “O real desvalorizado favorece a exportação”, diz Nogami, do Insper.

Em 2020, a balança comercial brasileira registrou alta na comparação com 2019 (o saldo foi de US$ 48 bilhões para US$ 51 bilhões). Em dezembro houve aumento de 40% nas importações, mas o movimento foi considerado normal. Primeiro, porque o novo regime aduaneiro para petróleo e gás natural (Repetro) provocou a nacionalização de plataformas, em um processo de natureza contábil. E, em segundo lugar, porque a retomada da indústria também se traduziu na importação de insumos que, tradicionalmente, já vinham de fora.

Cenário pré-crise era de depressão prolongada

Mas não é só a crise que impõe desafios ao crescimento. Mesmo que o país consiga retornar plenamente ao patamar em que estava antes da Covid-19, isso não significa que estaremos em um bom lugar.

Em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo, o economista Roberto Macedo explica que a crise do novo coronavírus ocorreu em meio a outra depressão, mais duradoura, que ocorre desde 2014. Ele usa como referência o último relatório do IBGE sobre as Contas Nacionais Trimestrais.

“Um dos seus gráficos apresenta um índice do PIB trimestral entre o primeiro trimestre de 1996 e o terceiro de 2020, e percebe-se que o valor mais alto foi lá atrás, no primeiro trimestre de 2014! Aí começa um movimento lembrando um U bem rebaixado e estendido, mas cuja haste direita não retornou ao mesmo nível marcado pela esquerda em sua ponta. Isso define uma depressão, mais longa e forte do que as duas recessões ocorridas durante o mesmo movimento, a de 2015-2016 e a da Covid-19”, explica Macedo.

Os ingredientes dessa crise prolongada incluem a falta de investimentos em infraestrutura e a condição deteriorada das contas públicas. Ao UOL, o analista Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura, afirmou, inclusive, que um possível sucesso da vacinação pode levar a um apagão de energia elétrica. Isso porque, se a economia apresentar uma retomada vigorosa, a demanda de energia pode ser superior à capacidade de fornecimento do sistema brasileiro. A avaliação de Pires, porém, não é consenso entre especialistas do setor.

De qualquer modo, é consenso que, mesmo que a vacinação contra a Covid-19 seja imprescindível, ela é só o primeiro passo para a recuperação. “Dizer que a economia nesse ano de 2021 vai deslanchar é um pensamento extremamente otimista. Nossa realidade mostra uma condição bastante debilitada”, conclui Otto Nogami, do Insper.

9 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 9 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • F

    Fernando Fernandes

    ± 23 horas

    URGENTE!! Diretor-presidente da ANVISA deve ser o próximo demitido pelo presidente Bolsonaro, depois das suas declarações neste domingo! O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, afirmou neste domingo que, mesmo com o desenvolvimento de vacinas, a vitória sobre o novo coronavírus passa pela "mudança de comportamento social". Ou seja, uso de máscaras e distanciamento social, tão combatidos publicamento pelo paspalho presidente e ainda, foi favorável à liberação da Coronavac e não citou a cloroquina, o remédio milagroso na crença dos bolsominions. Espera-se que nos próximos dias, Bozonaro genocida nomeie um general para presidir a Anvisa.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • J

      Joaquim

      ± 22 horas

      O Presidente Bolsonaro demora muito perceber quem são os melancias de seu governo. Se o ministro da saúde é um general, os diretores da ANVISA devem ser médicos coronéis médicos das Forças Armadas. Caso contrário essa palhaçada de dificultar a liberação da vacina vá continuar.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

  • R

    Ricardo Cesar Martins Santos

    ± 23 horas

    Sem o Botafogo, no Congresso, já vai ser um passo a frente!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      MdJ

      17/01/2021 11:33:52

      Presidente,Jair Bolsonaro esta no caminho certo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • P

        PLINIO WALGER

        17/01/2021 8:18:01

        Bolsonaro é a maior aberração que poderia ter acontecido ao país... tudo, menos ele...

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        1 Respostas
        • J

          Joaquim

          ± 22 horas

          Se o presidente fosse o Lula já teria liberado muita cachaça pra curar o coronavirus! Kkkkk...l

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • J

        JOSMAR PORTUGAL VAZ

        17/01/2021 3:55:59

        Governar o Brasil não é fácil. Cada setor da economia exige suas mordomias . Os impostos elevados , o custo para gerar empregos e as despesas com o funcionalismo público ( legislativo e judiciário ) fazem o famoso custo Brasil.....ninguém quer abrir mão das suas mordomias e o nosso país continua na contra mão do progresso. Vão dizer que culpado é o Bolsonaro....

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        1 Respostas
        • J

          Joaquim

          ± 22 horas

          Infelizmente os serviços essenciais "saúde, segurança e educação" são esquecidos.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

      • A

        Austríaco-PR

        17/01/2021 1:19:48

        Primeiro passo é superar Botafogo e seu grupo, hoje aliado de traíra e SStf, Está difícil.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.