i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
crise

Dilma conversa com Angela Merkel sobre crise econômica internacional

A presidente e a chanceler também devem conversar sobre educação, ciência, tecnologia e inovação, além de desenvolvimento sustentável, energia e infraestrutura, assuntos centrais na cooperação bilateral

  • PorAgência Brasil
  • 05/03/2012 04:28
Dilma chegou no domingo (4) à Alemanha, onde fica até terça-feira (6) | Roberto Stuckert Filho/PR
Dilma chegou no domingo (4) à Alemanha, onde fica até terça-feira (6)| Foto: Roberto Stuckert Filho/PR

A presidente Dilma Rousseff se reúne nesta segunda-feira (5) com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em Hannover. O principal tema da conversa é a crise econômica internacional. Na semana passada, Dilma condenou a ação dos europeus na tentativa de conter os efeitos da crise. Merkel disse que vai tentar mostrar à presidente que os europeus se esforçam para impedir o agravamento da crise. As duas têm reunião privada e jantam juntas.

Na conversa com Merkel, que é a principal líder das negociações na União Europeia (UE) em busca de soluções para evitar o agravamento da crise, Dilma deve mencionar os impactos do problema no Brasil e no mundo. Ambas também examinarão o aprofundamento do acordo de parceria estratégica definido em 2002.

A presidente e a chanceler também devem conversar sobre educação, ciência, tecnologia e inovação, além de desenvolvimento sustentável, energia e infraestrutura, assuntos centrais na cooperação bilateral. Nas reuniões, Dilma deve ressaltar as expectativas em torno da Conferência Rio+20, em junho no Rio de Janeiro, a atuação do G20 (que reúne os países mais ricos do mundo) e a reforma das instituições políticas e econômicas de governança global.

Paralelamente, a Alemanha vive um momento delicado em sua política interna. No último dia 17, o então presidente da Alemanha Christian Wulff - que tem funções administrativas - renunciou ao cargo, após ser denunciado pelo Ministério Público por corrupção. O nome de consenso para sucedê-lo é Joachin Gauck, candidato da coligação de maioria governista.

Dilma chegou no domingo (4) à Alemanha, onde fica até terça-feira (6). A presidente participa da inauguração da Feira Internacional de Tecnologia de Informação, Telecomunicações, Software e Serviços (Cebit). Ela está acompanhada por ministros e uma delegação de empresários, em um total de 200 pessoas.

A presidente também participa da Cebit, cujo tema neste ano é o Brasil. São mais de 4.200 expositores de 70 países. A estimativa é que cerca de 350 mil pessoas visitem a feira, que deve abrir oportunidades de negócios para empresas produtoras de tecnologias de informação e comunicação. O Brasil é o sexto maior mercado consumidor dessas tecnologias no mundo.

A Alemanha é o quarto principal parceiro comercial do Brasil. O volume de comércio entre os dois países superou US$ 24 bilhões em 2011, o que corresponde a aumento de 17,6% em relação ao ano anterior.

Os alemães estão entre os principais parceiros do programa Ciência sem Fronteiras. O programa põe em prática a busca pela convergência das vertentes econômica e científico-tecnológica das relações bilaterais. Até 2014, mais de 10 mil bolsistas brasileiros estudarão em instituições alemãs, segundo cálculos do governo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.