Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Diretora financeira da chinesa Huawei é presa no Canadá a pedido dos EUA

SOB Investigação

Diretora financeira da chinesa Huawei é presa no Canadá a pedido dos EUA

Meng Wanzhou, filha do fundador da empresa,foi acusada de violar as sanções impostas pelos Estados Unidos ao Irã e corre o risco de ser extraditada e julgada nos EUA

  • Folhapress
Empresa chinesa é a segunda maior fabricante de smartphones do mundo e líder no mercado de equipamentos para redes. | WANG ZHAO/AFP
Empresa chinesa é a segunda maior fabricante de smartphones do mundo e líder no mercado de equipamentos para redes. WANG ZHAO/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A chefe de operações financeiras da Huawei, gigante chinesa de telecomunicações, Meng Wanzhou, foi presa no sábado (1.º) em Vancouver, no Canadá, a pedido dos Estados Unidos, informaram autoridades do país nesta quarta-feira (5).

O jornal canadense The Globe and Mail publicou que a executiva foi detida em Vancouver, de onde será extraditada para os EUA por suspeita de violar as sanções dos Estados Unidos contra o Irã. Segundo o jornal, Meng teria enviado ao Irã produtos manufaturados em solo norte-americano, burlando regras que impedem o comércio com o Irã. Detalhes do caso permanecem sob sigilo judicial.

Os EUA impõem restrições ao Irã no intuito de “cortar receitas que financiam grupos terroristas”.

Meng Wanzhou integra o conselho da companhia e é filha de Ren Zhengfei, fundador da empresa, e é diretora financeira da empresa desde 2011.

Suspeita de espionagem

Neste ano, o governo Trump iniciou uma campanha com outros países, como Alemanha, Itália e Japão, para restringir a atuação da gigante chinesa. Além do Irã, a companhia ainda é investigada por violar controles comerciais americanos em Cuba, Sudão e Síria. 

Segunda maior fabricante de smartphones no mundo e líder no mercado de equipamentos para redes, a Huawei enfrenta ameaças dos Estados Unidos por supostamente violar questões de segurança.

A empresa não faz negócios com o país desde 2012, quando um relatório do Congresso a classificou como uma ameaça à segurança nacional. A pressão, no entanto, aumentou com a guerra comercial travada nos últimos meses.

Washington tem receios de que os equipamentos da Huawei sirvam para espionagem do governo chinês.

Em nota, a Huawei confirmou a prisão de Meng e afirmou que a companhia recebeu poucas informações sobre o caso. “Não estamos cientes de nenhum comportamento ilegal cometido por Meng. A empresa acredita que os sistemas legais de Canadá e EUA chegarão a uma conclusão justa”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE