i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Conjuntura

Dólar baixo e crise no campo atingem indústria do Paraná

  • PorMirian Gasparin
  • 14/09/2005 18:13

Curitiba – A queda do dólar e a quebra na safra de grãos – em conseqüência da estiagem do início do ano – já têm reflexos negativos na indústria do Paraná, que interrompeu em julho uma trajetória de 31 meses consecutivos de crescimento. Setores como o de máquinas e equipamentos e madeira são os mais afetados, conforme revela pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em julho, a produção industrial paranaense apresentou retração de 1% quando comparada a igual mês de 2004. Dos 14 segmentos industriais pesquisados pelo IBGE, 10 tiveram desempenho negativo. A produção de madeira, por exemplo, teve redução de 16,2%, enquanto a indústria de máquinas e implementos agrícolas experimentou queda de 14,2% no período. O setor de alimentos caiu quase 7% diante da redução na produção de tortas, bagaços e outros resíduos da extração do óleo de soja. Até a produção de veículos, que vinha apresentando resultados positivos há vários meses, caiu 2,03% em julho.

O setor que teve o melhor resultado foi o refino de petróleo e produção de álcool, pressionado pelo óleo diesel e outros óleos combustíveis. Vale lembrar, que em julho do ano passado a Refinaria Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, esteve paralisada para manutenção técnica de equipamentos. Com isso, a base de comparação fica comprometida.

Segundo informou o presidente da Montana Indústria de Máquinas, Gilberto Zancopé, a empresa, localizada em São José dos Pinhais e que produz implementos agrícolas e pulverizadores, registrou este ano uma queda de 50% na produção. De acordo com Zancopé, trata-se de uma conseqüência diante da perda de renda dos agricultures. Produzindo e vendendo menos, a Montana reduziu em 30% seu quadro de funcionários, que caiu de 500 para 300 colaboradores.

"A queda na renda do produtor está inibindo os investimentos. Os agricultores pararam de comprar e o ânimo de investir em novas máquinas é zero, o que torna o quadro dramático", lamenta Zancopé. Ele não acredita em recuperação nos próximos meses, considerando 2005 um ano de perdas.

A Case New Holland (CNH), com fábrica na Cidade Industrial de Curitiba, teve suas vendas de tratores reduzidas, em julho, em 74,6% quando comparadas a igual mês do ano passado. No mês, a CNH vendeu 191 tratores, contra 752 em 2004. No caso de colheitadeiras, a queda foi ainda maior e chega a 87%. Apenas 21 colheitadeiras foram vendidas pela CNH contra 164 em igual mês do ano passado.

Queda na cotação do dólar e das principais commodities, aliada ao aumento dos insumos são os principais motivos atribuídos para a retração nas venda da Case New Holland. A indústria prevê fechar o ano com redução de 35% nas vendas.

Madeira

Além da queda do dólar em relação ao real, a indústria madeireira enfrentou outro problema: com o mercado internacional retraído, os preços da madeira (principalmente compensado de pinus) caíram 35%. Segundo o presidente da Indústria João José Zattar, Miguel Zattar Filho, o setor florestal brasileiro ,que é essencialmente exportador, vem trabalhando praticamente sem lucro desde o último trimestre de 2004. "Corremos o risco de perder clientes definitivamente", destaca Zattar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.