i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Câmbio

Dólar podia chegar a R$ 1,90 sem operações do BC

  • 21/12/2005 18:20

Brasília – A atuação do Banco Central (BC) foi decisiva para segurar a cotação do dólar e reverter o movimento cujo destino parecia fazer o dólar cair para baixo dos R$ 2. Esse é um consenso dos especialistas sobre o comportamento do câmbio. Eles, porém, se dividem quando analisam se a alta registrada nesta semana é algo que veio para ficar. Do dia 1º de dezembro até segunda-feira, o dólar subiu 6,39%. Ontem, ele já voltou a cair.

Neste mês, a autoridade monetária, além de prosseguir comprando dólares à vista, passou a fazer diariamente vendas do chamado swap cambial reverso, operação que tem efeito semelhante à compra de dólares no mercado à vista, mas que não envolve dinheiro físico. No swap reverso existem duas pontas: em uma, o BC fica como se tivesse comprado dólares, e, na outra, como se tivesse feito um empréstimo cuja taxa de juros é o Certificado de Depósito Interbancário (CDI), taxa que remunera os empréstimos entre os bancos.

Quando o BC vende um swap reverso, é como se a procura por dólares aumentasse e, pela lei da oferta e da procura, o preço da moeda tende a aumentar. Foi isso que aconteceu neste mês. O BC vendeu US$ 6,6 bilhões desses contratos. Desde então, o dólar saltou da casa de R$ 2,20 para chegar a ser vendido a R$ 2,346 ontem.

Para o estrategista da ARX Capital e ex-chefe do Departamento de Mercado Aberto (Demab) do BC, Sérgio Goldenstein, a autoridade monetária fez certo em agir com mais força no mercado de câmbio. Segundo ele, havia uma "bolha especulativa" que poderia levar o dólar a R$ 1,90. "O BC mostrou para o mercado que o dólar pode ir para os dois lados e não só para baixo", afirmou. Ele espera que o dólar encerre este ano na faixa que encontrou na semana passada, cotado entre R$ 2,30 e R$ 2,40.

O economista Caio Meghali, da Mauá Investimentos, vê de forma diferente e acha que o BC tende aos poucos a reduzir sua atuação no mercado, após ter entrado fortemente para romper o processo especulativo. "A impressão que tenho é de que o BC vai deixar o câmbio seguir de acordo com os fundamentos da economia."

Já o professor da PUC de São Paulo, Antônio Corrêa de Lacerda, considera que a valorização do dólar diante da moeda brasileira será um movimento natural no médio prazo com os cortes na taxa básica de juros. Para ele, um dos grandes desafios do BC será reduzir a volatilidade – variações bruscas de alta e baixa – do câmbio, tão prejudicial para o setor produtivo, segundo ele, quanto uma valorização excessiva do real.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.