i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Câmbio

Dólar quebra série de altas, mas não evita valorização de 1,2% na semana

Principal novidade do dia foi a realização de apenas um leilão de compra de dólares pelo Banco Central, diferentemente dos últimos quatro dias, quando houve duas operações em cada

  • PorReuters
  • 07/01/2011 14:38

O dólar estacionou perto da cotação de 1,69 real nesta sexta-feira, com a queda do euro no mercado externo segurando a taxa de câmbio no Brasil.

A principal novidade do dia foi a realização de apenas um leilão de compra de dólares pelo Banco Central, diferentemente dos últimos quatro dias, quando houve duas operações em cada.

A moeda norte-americana fechou com variação negativa de 0,12%, a 1,686 real. Na semana, após três dias seguidos de alta entre terça e quinta-feira, o dólar registrou valorização acumulada de 1,2%.

O dólar caiu na maior parte do dia, em um refluxo da alta provocada na véspera pela criação pelo Banco Central de um depósito compulsório para as posições vendidas dos bancos.

Mais tarde, no entanto, a valorização do dólar no exterior amenizou esse efeito. A moeda reagiu à queda maior que a esperada na taxa de desemprego dos Estados Unidos, que indicou, apesar do maior desalento entre os trabalhadores, que a recuperação do país continua em curso.

O euro, afetado pela preocupação com a emissão de títulos de dívida na próxima semana por países como Portugal, Espanha e Itália, era uma das moedas que mais sofria, com queda de 0,6%, para o menor nível em quatro meses.

No Brasil, o comportamento do FRA (forward rate agreement) de cupom cambial indicou que o primeiro impacto da nova medida do BC já passou. O contrato com vencimento mais curto, que havia disparado em meio ao desmonte de posições na quinta-feira, caía de 2,52% a 2,30% nesta sessão.

Mas, para Francisco Carvalho, gerente de câmbio da corretora BGC Liquidez, o mercado deve continuar a ver o desmonte de posições vendidas no mercado à vista por parte dos bancos ao longo das próximas semanas.

Um efeito desse desmonte, já previsto por analistas na véspera, era a diminuição das compras de dólares pelo BC.

O operador de um banco em São Paulo, que preferiu não ser identificado, estimou em 300 milhões de dólares as compras na quinta-feira.

Na opinião do banco francês BNP Paribas, a possibilidade novas medidas do governo para frear a valorização do real torna mais atraente a adoção de posições compradas em dólar, apostando na alta da moeda norte-americana. O analista Diego Donadio, inclusive, revisou a projeção de curto prazo para a taxa de câmbio de 1,70 para 1,72 real.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.