Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

O dólar subiu mais de 2% nesta segunda-feira (19), aproximando-se de R$ 1,80 pela primeira vez em mais de um ano com o medo de uma piora da crise da dívida na Europa. A moeda norte-americana fechou em alta de 2,57%, a R$ 1,7765 para venda. É a maior cotação desde 21 de julho de 2010, quando o dólar fechou a R$ 1,781.

Durante o dia, o dólar chegou a ser cotado a R$ 1,7976 para venda. Foi a maior alta de fechamento desde 6 de maio de 2010, quando a moeda avançou 2,95%.Operadores no Brasil atribuíram a subida a fatores externos, principalmente via ajustes no mercado futuro. Um deles chegou a mencionar que o fluxo de dólares para o país segue positivo.

"No mercado interno não houve nada que justificasse esse movimento", disse o operador de câmbio de um dos principais bancos nacionais, que preferiu não ser identificado.

Segundo profissionais de mercado, a alta aconteceu por causa do medo cada vez maior de um calote da dívida grega. No fim da tarde, uma fonte do Ministério das Finanças da Grécia afirmou que o país está próximo de um acordo para receber a próxima parcela da ajuda internacional, o que evitaria uma moratória inédita dentro da zona do euro.

Com a intensidade da alta, algumas operações de "stop-loss" foram acionadas, afirmou o operador de uma corretora em São Paulo, o que acelerou ainda mais a valorização do dólar. Essas operações têm o objetivo de evitar perdas maiores durante movimentos muito bruscos do mercado. "Depois dos 'stopados' perdeu um pouco (de força) e voltou para esses niveis."

Embora a alta do dólar tenha raízes no exterior, analistas veem motivos internos para que ela seja mais intensa no Brasil que em outros lugares, como a perspectiva de queda dos juros nos próximos meses. Na opinião do Bank of America Merrill Lynch, "o real mais fraco pode ter vindo para ficar".

"Por enquanto, mantemos nossa previsão de que o dólar terminará 2012 a R$ 1,80", escreveu o analista David Beker, em relatório.

A taxa Ptax, calculada pelo Banco Central e usada como referência para os ajustes de contratos futuros e outros derivativos de câmbio, fechou a R$ 1,7763 para venda, em alta de 3,74% ante sexta-feira.

O Banco Central manteve o comportamento dos últimos dias e não interveio no mercado de câmbio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]