i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Consumo

Por que a venda de eletrônicos subiu na pandemia, e o que esperar da Black Friday e de 2021

  • 25/11/2020 09:44
Alta da venda de eletrônicos e eletrodomésticos tem relação com a pandemia, que aumentou o contingente de trabalhadores em home office e o tempo gasto dentro de casa.
Alta da venda de eletrônicos e eletrodomésticos tem relação com a pandemia, que aumentou o contingente de trabalhadores em home office e o tempo gasto dentro de casa.| Foto: Cottonbro/Pexels

Após encarar estagnação no período mais crítico do isolamento social, promovido em pontos do país para evitar a propagação do novo coronavírus, o varejo voltou a experimentar crescimento nas vendas, com destaque para o setor de eletrônicos, que comemora crescimentos contínuos do consumo nos últimos meses.

Segundo a mais recente Pesquisa Mensal de Comércio do IBGE, enquanto o volume geral de vendas do varejo subiu 7,3%, as vendas de eletrodomésticos deram um salto de 25,6% em setembro, em relação ao mesmo mês do ano passado. Foi a quarta alta consecutiva do segmento nesse tipo de comparação, depois de amargar quedas de 12,4% em março, 33,3% em abril e 4,9% em maio.

Com isso, as vendas de eletrodomésticos acumulam alta de 9,7% nos nove primeiros meses do ano, ao passo que o varejo geral ficou estável, com variação zero sobre igual período de 2019.

Como a pandemia impulsionou as vendas de eletrônicos

O bom desempenho é explicado, em parte, pela própria crise causada pela pandemia de Covid-19 e pela restrição a atividades do setor de serviços, o aumento do contingente de trabalhadores em home office e do tempo gasto dentro de casa.

Na avaliação do presidente executivo da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), Jorge Nascimento, essa retomada – puxada em um primeiro momento por eletroportáteis e eletroeletrônicos – se deu porque o consumidor teve a necessidade de melhorar a qualidade de vida no domicílio, facilitar a rotina e compensar a impossibilidade de consumo de alguns serviços.

"Com o comércio fechado, a gente teve nossa principal forma de comercialização não realizada. Chegamos a 80% de estagnação. Mas o que acontece depois: as pessoas não podem viajar, diminuíram de forma significativa o consumo de serviços e de entretenimento (com restaurantes, salões de beleza, cinemas fechados) e começaram a olhar mais para dentro de casa", afirma Nascimento.

Assim, o consumidor direcionou recursos represados para adquirir produtos como aspiradores de pó, ferros de passar, lavadoras de louça, fornos elétricos e de micro-ondas, barbeadores elétricos, entre outros aparelhos.

Com o início da flexibilização de decretos regionais e a volta de parte dos consumidores às lojas físicas, o segmento também foi beneficiado pelos juros baixos – reflexo da Selic mais baixa da história, em 2% ao ano – e pelo auxílio emergencial, que colaborou de modo geral para uma recuperação do comércio.

O economista Marcel Solimeo, da Associação Comercial de São Paulo, destaca que o cenário facilitou compras parceladas, comumente utilizadas para a aquisição de produtos mais caros, como itens da linha branca.

Eletrônicos devem dominar a Black Friday

O setor se mostra otimista para a reta final de 2020, primeiro com a Black Friday e depois, o Natal.

O evento de descontos importado dos Estados Unidos é, ao lado das festas de fim de ano, uma das principais datas para a venda de eletrodomésticos e eletrônicos no Brasil – o que garantiu movimento nas fábricas, com três turnos e trabalho aos fins de semana, de acordo com o presidente executivo da Eletros. Tudo para atender à demanda já tradicional para o segmento na última sexta-feira de novembro.

As projeções são de avanço de 10% a 15% nas vendas no cenário classificado por Jorge Nascimento como mais "realista". Otimistas falam em acréscimo de 20%, diz ele.

Segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a Black Friday de 2020 deve ter o maior faturamento desde que a data foi incorporada ao calendário do varejo nacional (em 2010). A expectativa é de movimentação financeira de R$ 3,74 bilhões. Desse total, o segmento de eletroeletrônicos e utilidades domésticas deve levantar, sozinho, uma receita de R$ 1,022 bilhão.

O economista da CNC Fabio Bentes destaca que a Black Friday será a primeira data importante para o comércio que tem previsão de crescimento nas vendas em 2020. "Em todas as demais, desde a Páscoa até o dia das crianças, o varejo registrou queda. Para a Black Friday, a previsão é de um crescimento modesto, de cerca de 1,8%. Só que isso é uma média entre um crescimento esperado de 1% no varejo presencial e de 61% no varejo eletrônico", revela.

A discrepância deixa claro que o peso do varejo eletrônico ainda é muito pequeno no país: se limita a 5% do total de vendas. "Então, por mais que o varejo eletrônico ajude, ele ainda é um anão perto do consumo presencial, fica muito difícil ele sustentar ou carregar nas costas o desempenho do setor como um todo", pondera Bentes. Nesta análise começam a se desenhar as preocupações para 2021, que necessariamente passam pelo cenário da crise sanitária.

Expectativas: uma incógnita chamada 20201

Primeira questão posta pelos especialistas é a importância da compra presencial para o varejo. Para o economista da ACSP, Marcel Solimeo, novos fechamentos do comércio, como aqueles realizados no país a partir do mês de abril, poderiam ser "trágicos em termos econômicos".

Para Fabio Benes, do CNC, essa dependência da circulação de consumidores é maximizada não só por causa do ainda pequeno comércio eletrônico, mas também por características brasileiras como a ampla desbancarização e as dificuldades de acesso à internet longe dos grandes centros.

A segunda preocupação para 2021 é o fim do auxílio emergencial, mesmo que a crise do coronavírus ainda não tenha alcançado um ponto final. Se confirmada, ela representará menos liquidez num cenário ainda distante de retomada do mercado de trabalho.

Solimeo avalia que a recuperação do emprego formal será muito lenta por causa de diversos fatores. Entre os pontos levantados estão o fechamento de empresas, a informatização que vai exigir menos mão de obra, o desaparecimento de ocupações em decorrência da informatização de certas atividades e ainda a demora na retomada de setores relevantes como alimentação, entretenimento e turismo.

O presidente executivo da Eletros, Jorge Oliveira, destaca que o setor teme perder o caminho de retomada e já comunicou suas preocupações ao governo federal. A busca de diálogo foi no sentido de pedir que haja uma continuidade das medidas de fomento ao aquecimento da economia, como o próprio auxílio emergencial e a flexibilização dos contratos de trabalho.

"Eles enxergam o que a gente está vivendo como uma retomada em V, nós colocamos a preocupação de que pode ser um W, ou seja, subir e descer de novo. Nos disseram que a preocupação está no radar do governo e que, na hora certa, vai tomar as medidas, mas não quiseram nos adiantar", afirma.

Sobre as perspectivas para os começo de 2021, Oliveira afirma que o cenário ainda é de incerteza: "A gente sabe que maio tem dia das mães, que o carnaval foi adiado em muitos estados e que talvez haja possibilidade de continuar tendo algum tipo de circulação de dinheiro na busca de produtos de consumo e não de serviços ou turismo, mas é uma incógnita que nos deixa muito preocupados".

Na avaliação de João Henrique Netto, da Blu365, uma plataforma on-line de renegociação de dívidas, o auxílio de R$ 600 e depois de R$ 300 foi crucial para injetar liquidez na economia durante a crise provocada pela pandemia. "A gente está falando aqui de R$ 300 bilhões injetados em poucos meses e observa que essa redução vai ter, sem dúvida, um impacto negativo. A grande questão que fica é que há duas forças antagônicas: essa perda de liquidez e a retomada da economia, que é a retomada do emprego, as pessoas saindo mais de casa, voltando aos seus hábitos anteriores. O ponto é saber o que vai prevalecer", avalia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.