i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Precificação

Errar no cálculo do preço de um produto pode ser fatal para as empresas

Cobrar o valor errado pode aumentar prejuízos e levar empresas a perderem mercado

  • PorJéssica Sant’Ana
  • 04/05/2016 20:58
 | Antônio More/Gazeta do Povo
| Foto: Antônio More/Gazeta do Povo

Sem conhecer todos os seus custos e despesas, os pequenos negócios costumam ter dificuldades para estabelecer o preço de um produto ou serviço. A prática de cobrar o valor errado pode ser fatal para uma empresa, já que um preço muito baixo causa prejuízos ao negócio e um valor muito alto resulta em perda de mercado.

Apesar da precificação não ser algo simples, o primeiro passo é ter uma gestão financeira bem organizada. “Sem conhecer todos os meus custos, automaticamente meu preço vai ficar fora da realidade de mercado”, afirma o consultor do Sebrae-PR Luis Zaia.

Ele diz que todas as despesas da empresa devem ser incluídas no cálculo do preço, como os custos fixos (aluguel, folha de pagamento e pró-labore) e variáveis (matéria-prima, fornecedor, imposto, comissão, entre outros).

Segundo o consultor, é comum o empresário se esquecer de acrescentar gastos com frete, viagens, comissões e outros custos fixos. Por exemplo, se foi necessário viajar para comprar uma mercadoria, é recomendável somar os gastos com transporte, hospedagem e alimentação.

Revisão

Os especialistas recomendam sempre rever os preços estabelecidos. Por exemplo, quem trabalha com importação, deve estar atento à variação do câmbio. Já os demais empreendedores precisam recalcular os preços quando há mudança de fornecedor, nos impostos e em despesas como energia, água e internet.

Técnicas

Conhecendo bem os custos envolvidos, o empreendedor precisa escolher uma técnica de precificação para calcular o preço adequado.

A mais usada entre as pequenas empresas é chamada de “markup” e significa estabelecer um preço suficiente para pagar todos os custos e ainda gerar lucro. Seu cálculo, em resumo, é feito somando o custo do produto, as despesas fixas e variáveis, e acrescentando ao final a margem de lucro que se pretende atingir.

Há também técnicas que levam em consideração o que o cliente está disposto a pagar e que estabelecem o preço a partir do que o concorrente cobra.

Outra trabalha com preços dinâmicos, ou seja, estabelece um valor para cada tipo de cliente. É o caso das companhias aéreas e de empresas de e-commerce, que alteram os valores diariamente de acordo com o perfil de compra do consumidor.

Como precificar

Para formar o preço pelo custo, a técnica mais usada entre os pequenos negócios, é preciso somar diversas variáveis, segundo o Sebrae. Confira:

Custo do produto

Valor cobrado pelo fornecedor ou, no caso de indústria, da matéria-prima;

Despesas fixas

Aluguel, pró-labore (retirada dos sócios), folha de pagamento e demais gastos administrativos;

Despesas variáveis

Impostos, comissões, embalagens, frete, entre outros;

Margem de lucro

Porcentagem de lucro desejada por produto.

Segundo o professor dos cursos de MBA da Fundação Getulio Vargas e autor do livro Guia Prático de Formação de Preços, Roberto Assef, essas metodologias demandam mais acompanhamento do empresário e pesquisas de mercado e, por isso, não costumam ser utilizadas por pequenos negócios.

”Quem dita o preço é o mercado”, afirma consultor

Para os especialistas, depois de estabelecer o preço em cima dos custos e da margem de lucro, é preciso olhar para o concorrente.

Essa rotina permite comparar o preço do seu produto para saber se está acima, abaixo ou de acordo com o praticado pelo mercado.

Se o preço final ficou acima e não há fatores de diferenciação do seu negócio diante da concorrência, a recomendação é reduzir os custos ou a margem de lucro. Caso tenha ficado inferior aos concorrentes, vale a pena deixá-lo assim ou aumentar a margem de lucro.

“Quem dita o preço é o mercado. O empreendedor precisa olhar o mercado que está inserido e o público-alvo”, afirma o consultor do Sebrae-PR Luis Zaia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.