i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
mercado

Franquias enxutas e baratas viram tendência no setor

Negócios que não demandam ponto fixo e têm valores de manutenção mais baixos são ideais para quem tem pouco capital

  • PorJéssica Sant’Ana
  • 25/11/2015 19:59
Cassiano Oliveira e Fernando Hisamitsu são sócios da Easy Charge. | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Cassiano Oliveira e Fernando Hisamitsu são sócios da Easy Charge.| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

As tradicionais franquias do setor de alimentação com suas espaçosas lojas em shoppings vão, aos poucos, cedendo espaço a marcas do segmento de serviço que não demandam ponto fixo e que exigem custos menores para manutenção. A tendência esteve presente na 23.ª Franchising Fair, feira nacional que trouxe a Curitiba mais de 100 marcas que desejam expandir sua atuação no estado.

A ampliação desse tipo de negócio atende a uma gama de empreendedores que tem pouco capital para investir. Normalmente, são redes que precisam de investimento inicial de até R$ 80 mil e, por isso, se encaixam na categoria de microfranquias, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF).

OPÇÕES: Conheça algumas das franquias presentes na feira

Os franqueados têm a opção de montar o negócio em casa, trailer, quiosque ou outro espaço com até 50 m², o que diminui os custos com a manutenção da loja.

A Easy Charge, que esteve presente na 23.ª Franchising Fair, é um exemplo de franquia que pode ser montada por apenas uma pessoa e não exige ponto fixo. O produto comercializado é um carregador portátil de celular para estabelecimentos comerciais, como bares e restaurantes. O licenciado da marca oferece o aparelho para as lojas e lucra com as propagandas que são veiculadas na tela que acompanha o carregador.

“Percebi que as pessoas vão até as tomadas ou totens fixos para carregar seu celular. A ideia do Easy Charge é levar o carregador até a mesa do cliente”, diz o sócio e diretor comercial da marca, Cassiano Oliveira.

A empresa tem 18 meses de funcionamento e já está presente em 20 cidades, através das franquias. Para ser um licenciado, o investimento inicial é de R$ 38 mil e o tempo de retorno é de um ano e meio. O faturamento médio é de R$ 10 a R$ 20 mil por mês.

Para a diretora da ABF Sul, Fabiana Estrela, os modelos sem ponto fixo atendem ao novo comportamento do consumidor, que busca a conveniência de um serviço ao seu alcance.

“Já faz algum tempo que vem se observando o crescimento de modelos mais enxutos. Os formatos menores reduzem custo, são mais fáceis de gerir e facilitam a vida do cliente, que economiza o tempo pesquisado, além de ser uma tendência de sustentabilidade”, diz.

Claudia Bittencourt, diretora do Grupo Bittencourt, consultoria especializada em franquias, afirma que mesmo as marcas consolidadas estão apostando em multicanais de venda, ou seja, em pontos fixos e móveis. “É uma tendência empresas franqueadoras estruturarem novos modelos de negócios”, diz.

Em alta

O mercado de franquias cresceu 8,2% no terceiro trimestre deste ano na comparação com o mesmo período de 2014, segundo levantamento da Associação Brasileira de Franchising. Já de janeiro a setembro, o faturamento do setor atingiu R$ 99,4 bilhões, um crescimento de 10,1%.

Os segmentos que mais cresceram em faturamento foram Educação e Treinamento, Negócios, Serviços e Outros Varejos e Veículos, com 15%, seguidos por Hotelaria e Turismo, com 14% de expansão.

Marcas ficam mais exigentes nas escolhas dos franqueados

Ademar Phal, diretor da feira de franquias.Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Faz um tempo que os franqueadores estão mais exigentes na escolha dos seus licenciados. A explicação, segundo o diretor da 23ª Franchising Fair, Ademar Pahl, é que as empresas não querem que o franqueado feche a unidade, o que desgastaria a imagem da marca. Além de ter o dinheiro para bancar o investimento inicial e capital de giro para tocar o negócio nos primeiros meses, o empreendedor precisa preencher uma série de requisitos para entrar no mundo do franchising.

Segundo a diretora do Grupo Bittencourt, Claudia Bittencourt, cada rede tem um perfil de franqueado ideal mapeado. Elas analisam se querem um profissional mais operador ou investidor, se a pessoa está de acordo com a cultura da empresa, se tem um espírito empreendedor, entre outras características pessoais e profissionais.

Na Easy Charge, por exemplo, o perfil ideal são profissionais jovens que gostam de tecnologia e inovação e que buscam independência financeira. No grupo Trigo, dono das marcas Koni, Domino’s Pizza e Spoleto, é necessário que a pessoa possua capital próprio para investir na franquia, pois não são aceitos financiamentos bancários. Já a Action Coach, que oferece o serviço de coach para executivos, procura franqueados que passaram pelo mundo empresarial, como diretores, coordenadores e gerentes.

Franquia vende roupas em veículos adaptados

Fabiane Post Ploposki, da Boutique de Rua.Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Um novo modelo de negócio apresentado na 23ª Franchising Fair é a Boutique de Rua. A loja vende roupas e acessórios dentro de veículos utilitários adaptados. O local possui espelho, provador, televisão e ar-condicionado para atender bem o cliente.

“Eu era sacoleira em São Paulo. Trazia as roupas para vender para as funcionárias de empresas na CIC [Cidade Industrial de Curitiba], mas não me deixavam entrar. Quando conseguia deixar a sacola de roupa com alguma cliente, a dificuldade era não ter espelho e provador para fechar as vendas”, conta Fabiane Post Ploposki, proprietária da boutique.

O empreendimento é voltado para atender ao público das classes B e C em pátios fechados, como em empresas ou eventos. São dez veículos pequenos de carga adaptados rodando pelo país. A taxa de licença da marca é de R$ 35 mil e a transformação do veículo custa, em média, R$ 43 mil. O faturamento mensal chega a R$ 50 mil.

Investimento

Confira algumas opções de franquias presentes 23ª Franchising Fair:

Action Coach

Empresa australiana de coach para executivos. O investimento inicial é de R$ 135 mil, com tempo de retorno de 12 a 18 meses.

Koni

Franquia de cozinha asiática com mais de 130 lojas abertas em oito anos. Investimentos a partir de R$ 410 mil, com prazo médio de retorno de 36 meses.

Água Imaculada

Franquia mexicana de purificadores de água. Investimento inicial a partir de US$ 4.410.

Laca Laca

Food truck de comida mexicana. Investimento total de R$ 340 mil com payback de 15 meses.

Único Asfaltos

Asfalto pode ser estocado e aplicado em qualquer quantidade. O investimento para a microfranquia é de R$ 22 mil e para a unidade tradicional, R$ 310,5 mil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.