i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
voz da experiência

Quer abrir um negócio com mais chance de sucesso? Procure um mentor

Programas de mentoria ajudam iniciantes a driblar as dificuldades iniciais e fazer o negócio decolar

  • PorLarissa Fanes
  • 05/12/2016 15:46
Rafael Luciano e Guilherme Pallaoro, sócios da Lilibox: mentoria ajuda a dar “tiro certo” | Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Rafael Luciano e Guilherme Pallaoro, sócios da Lilibox: mentoria ajuda a dar “tiro certo”| Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

No processo de criação de uma empresa, é preciso definir as estratégias que serão tomadas para inserir seu produto no mercado e garantir o seu desenvolvimento. Nesse caminho, os empreendedores podem contar com a ajuda de pessoas que vão orientá-los com respostas que só a experiência traz. Esse é o papel dos mentores. A proposta de um programa de mentoria é fornecer caminhos para que os iniciantes consigam atingir seus objetivos e enfrentar as dificuldades que eles têm naquele momento.

Fábio Arazaki é responsável por criar novos negócios Gobee, empresa de tecnologia e também atua como mentor de startups na área. Ele conta que procura em suas experiências as técnicas que pode passar para ajudar quem está se arriscando em um negócio que exige um perfil profissional diferente. “As pessoas foram formadas para desempenhar uma atividade como funcionários. Ao assumir a postura de empreendedor, se deparam com uma realidade para a qual não foi preparado”.

Reality que entra no ar no dia 8 conta os bastidores do Elevator Pitch

Leia a matéria completa

Esse preparo deve ser feito tomando o cuidado com as duas partes de um negócio: a ideia (startup) e quem a executa (o profissional). Por isso, existe mentoria tanto para startup, quanto para o empreendedor. Se o foco do processo for para a startup, mentor e mentorado trabalham juntos para analisar em qual estágio ela está, definem requisitos para as fases do projeto e vão batendo cada um deles. Quando o atendimento estiver focado no empresário, ele vai trabalhar para desenvolver características pessoais, como explica Erica Marques, mentora na Logos BR. “Às vezes ele é super visionário, mas não consegue trabalhar em equipe. Isso não dá certo, porque ele vai pegar todas as ações para ele e o produto não desenvolve, mesmo a ideia sendo boa”, comenta.

O acompanhamento dos mentores também ajuda a fazer projeções para a empresa. Para isso, Marques aconselha que os prazos definidos sejam curtos, para que as etapas, mesmo que sejam pequenas, sejam cumpridas rapidamente. “Assim ele se movimenta, para de idealizar. O ideal é ser bom para depois focar em se tornar ótimo.”

A relação entre mentor e mentorado é de confiança e admiração, como relata Ricardo Dória, mentor e coordenador do Epifania, programa de desenvolvimento de startups realizado pelo Sebrae. Ele explica que o mentor é alguém que está livre para discutir um certo assunto com quem está desenvolvendo um projeto, no campo profissional ou pessoal. “A dica é escolher uma pessoa importante para você, porque você vai querer impressionar ela, vai se empenhar muito para isso.”

Fator de sucesso

A empresa Lilibox, que venceu o concurso Elevator Pitch, promovido pela Gazeta do Povo, está agora passando por um processo de mentoria. Além de Dória, que também é fundador da Aldeia Coworking, são mentores da startup os gerentes e diretores do Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP), do Grupo Boticário, da Quantum, da Fleety, da FAE e da Itaipu Binacional.

Para Rafael Luciano, sócio da Lilibox, a mentoria ajudar a aplicar as noções de empreendedorismo sem perder a identidade do seu negócio. “São conselhos consolidados ou que já deram certo em outras empresas. É diferente do que ler, pesquisar sobre ideias legais que funcionaram em outros formatos. É um tiro certo”, avalia. Ele conta que a ajuda de alguém que é referência ajuda a ser assertivo no processo de tentativa e erro, natural em uma empresa iniciante.

Dória comenta que Luciano e seu sócio, Guilherme Pallaoro, têm as características de um bom mentorado: sabem ouvir e mostram um interesse genuíno em evoluir. “Isso é fator de sucesso”. Ele também ressalta a importância da mentoria em um tempo em que a agilidade dita a ascensão de um negócio. “Quem pega uma mentoria economiza uns dez, vinte anos de experiência, porque esse é o tempo que o seu mentor tem. Ele já passou pelo que você está passando e sabe o que funciona bem.”

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.