i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
investimento

Reformas e manutenções garantem sustentabilidade a pequenas empresas

Com planejamento, gastos obrigatórios podem gerar novas oportunidades de negócio

  • PorJéssica Sant’Ana
  • 25/05/2016 20:32
Luiz Roberto Gomes, proprietário do salão de beleza Louis Hair Beauty Center, fez investimento em reformas. | Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo
Luiz Roberto Gomes, proprietário do salão de beleza Louis Hair Beauty Center, fez investimento em reformas.| Foto: Ivonaldo Alexandre/Gazeta do Povo

Para um negócio ser sustentável ao longo do tempo e não correr o risco de perder mercado por ter ficado obsoleto, o empreendedor precisa planejar o investimento em reformas, troca de equipamentos e atualização de softwares. São gastos obrigatórios que devem ser feitos conforme o tempo passa, mas que podem gerar novas oportunidades de negócios se o empresário souber se planejar.

Todos os bens móveis da empresa, como máquinas, eletroeletrônicos e móveis, além da própria estrutura física da loja ou escritório vão se desgastar com o tempo. Alguns, conforme a tecnologia avança, perdem a sua utilidade e ficam ultrapassados. Deixar de prever no planejamento essas mudanças e não guardar recursos para manutenção, reforma ou troca é um erro comum, mas que pode comprometer a competitividade da empresa.

Para não cair nessa armadilha, o empresário deve, primeiro, mapear os equipamentos críticos ao negócio, segundo orientação do professor especialista em empreendedorismo e inovação do Instituto Superior de Administração e Economia (Isae), Rafael de Tarso Schroeder. Ele recomenda levantar quais são os bens essenciais para funcionamento da empresa, como computadores e máquinas, e aqueles de maior valor, como automóveis.

Com a lista em mãos, o empreendedor deve recorrer aos próprios fornecedores para saber o tempo de vida útil do objeto, ou seja, quantos anos aquele bem deve durar. Em muitos casos, é possível prever no contrato de compra manutenções programadas para aumentar o tempo de vida do produto e condições facilitadas para substituição por itens novos.

Reserva de dinheiro e seguro também são alternativas para evitar ser pego de surpresa quando uma máquina quebra, por exemplo. “Normalmente, as reservas são guardadas para um eventual problema, como demissão e aspectos legais, e para capital de giro. O empresário não planeja investimentos em equipamentos e reformas”, diz Schroeder. “É o que chamamos de gerenciamento de risco”, explica.

Visual renovado

De acordo com pesquisa do Sebrae-SP, pequenas mudanças na fachada, vitrine, iluminação e organização interna podem ampliar as vendas de uma loja em até 40%. A grande vantagem dessas mudanças é que elas demandam pouco investimento e ajudam a atrair o público-alvo.

Na contabilidade, o desgaste dos bens móveis de uma empresa é chamado de depreciação e o valor é, normalmente, repassado no preço final do produto ou reduzido do pró-labore dos sócios. O cálculo pode ser feito pegando o valor do produto, dividindo pelo tempo de vida útil e depois por 12 para ter o valor referente a cada mês.

Mudanças dão origem a novas oportunidades

Além de manter o negócio sustentável e competitivo no mercado, mudanças nos bens móveis e imóveis podem gerar novas oportunidades de negócio. É o caso do Louis Hair Beauty Center, salão de beleza de Curitiba, que começou este ano de casa nova.

Após mais de dez anos num ponto muito pequeno e voltado ao público masculino, Luiz Roberto Gomes encontrou um sócio que investiu de R$ 300 mil a R$ 500 mil no negócio para alugar um ponto novo. Com um espaço de 300 m² e a compra de novos equipamentos, o atendimento foi ampliado para o público feminino. Com as mudanças, o salão passou de 200 a 600 clientes por semana.

Caso não seja possível recorrer a recursos próprios, os financiamentos também são uma alternativa. Foi o que fez, por exemplo, o Point Restaurante, de Laranjeiras do Sul, no interior do Paraná. A família Jacoski, que tinha uma pizzaria e bar há 13 anos, não queria mais trabalhar à noite e viu que a cidade carecia de um restaurante diurno.

Para começar a servir almoço por quilo, eles precisaram comprar novos equipamentos, como um buffet refrigerado e elétrico, ampliar o banheiro e trocar o piso. Somente as mesas e as cadeiras puderam ser aproveitadas.

O proprietário, José Maria Jacoski, recorreu a um financiamento do BNDES de R$ 170 mil, em 48 meses, para comprar todo o novo mobiliário. Com o investimento, eles passaram a ter capacidade de servir de 200 a 300 almoços por dia e também abrem o espaço para eventos, como confraternizações, casamentos e aniversários.

O professor do Instituto Superior de Administração e Economia (Isae), Rafael de Tarso Schroeder, orienta, antes de investir em reformas e manutenções não urgentes, analisar a relação custo-oportunidade.

Mas, em alguns casos, como de avanços tecnológicos, fica inevitável fazer mudanças. “Se eu demorar muito para testar, vai demorar ainda mais para ter retorno”, explica. O caminho é estar atento ao mercado e aos concorrentes.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.