i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Renovação

Empresas de energia devem mostrar serviço, diz advogado-geral da União

Luís Inácio Adams disse que empresas não têm um direito inalienável à prorrogação das concessões

  • PorAgência Estado
  • 14/11/2012 08:18

O advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, afirmou na manhã desta quarta-feira (14) que as concessionárias do setor de energia não têm um direito inalienável à prorrogação. Segundo ele, é preciso que as empresas comprovem a adequada prestação do serviço público e, mais do que isso, é necessário que haja interesse público na eventual prorrogação. "O interesse público tem que estar presente na prorrogação, como está presente na Medida Provisória 579", afirmou, durante audiência pública sobre a Medida Provisória, que prorroga as concessões do setor elétrico.

Segundo Adams, um dos critérios utilizados pelo poder público na avaliação da renovação das concessões é a mudança do cenário econômico. "É possível que as condições econômicas de 30 anos atrás não se façam mais presentes hoje. Não há que se falar em direito a uma permanência inesgotável à prorrogação", disse. "Isso tem que beneficiar a sociedade. Estamos falando de patrimônio público."

Adams reiterou que a prorrogação dos contratos não é uma garantia, mas uma possibilidade para o concessionário. "Não há que se falar em direito inalienável à prorrogação."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.