Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Cortesia de Yimu Zhao and Richard Lunt, Michigan State University
| Foto: Cortesia de Yimu Zhao and Richard Lunt, Michigan State University

O dilema de ficar sem bateria no celular pode estar com os dias contados. Uma startup do Massachusetts Institute of Technology (MIT) desenvolveu um revestimento transparente que transforma superfícies como telas de celulares, janelas e vidros de carros em painéis solares portáteis. As películas transparentes são capazes de armazenar a energia solar e transformá-la em energia elétrica. Ou seja, em vez de sair em busca de tomada ou carregador para manter seu smartphone vivo, tudo o que você precisa é de um pouco de sol para recarregá-lo. As informações são da publicação Popular Science.

Pela 1ª vez, fontes renováveis crescem mais do que combustíveis fósseis

Matriz energética mundial ganhou “um Canadá” inteiro em capacidade de geração proveniente de fontes renováveis no ano passado

Leia a matéria completa

A Ubiquitous Energia criou uma película transparente feita moléculas orgânicas que absorvem os raios ultravioletas e infravermelhos do sol. O material funciona como um semicondutor: quando os fótons dos raios de sol atingem a superfície, eles excitam os elétrons, que fluem como uma corrente elétrica para alimentar os dispositivos eletrônicos. A tecnologia está em fase de testes.

LEIA MAIS sobre Energia e Sustentabilidade

O grande desafio da startup foi desenvolver uma película transparente que absorva o máximo possível da luz do sol. Basicamente, os painéis solares absorvem fótons dos raios do sol, convertendo-os em eletricidade. Os painéis são escuros porque é esta característica que faz com que a energia seja realmente absorvida, ou seja, quanto mais escuros, mais luz eles absorvem. Por outro lado, a luz atravessa as superfícies transparentes e não é completamente absorvida.

“De smartwatches, telefones, janelas ou até mesmo carros, você pode colocar o revestimento sobre qualquer coisa e transformá-la em uma fonte de energia”, diz o fundador da empresa Milhas Barr. Quando a tecnologia estiver madura, Barr acredita que ela será capaz de converter energia solar em eletricidade com 10% de eficiência, o que corresponde a dois terços da média da indústria de painéis solares.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]