Os médicos de 24 estados do país suspendem o atendimento aos planos de saúde nesta quarta-feira (21). O protesto de 24 horas é contra os baixos honorários repassados pelas operadoras. A paralisação atingirá tanto o atendimento em consultórios quanto em ambulatórios e hospitais.

A estimativa é de que cerca de 25 milhões de pessoas sejam usuárias dos planos de saúde que terão o atendimento interrompido. Em 9 estados, médicos suspenderão o atendimento a todas as operadoras de saúde. Na Bahia, a paralisação será de uma semana.

Somente as equipes dos serviços de urgência manterão suas atividades. O movimento é organizado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam).

O presidente da Federação Nacional dos Médicos, Cid Jayme Carvalhaes, afirma que atualmente 120 mil profissionais prestam serviços para planos de saúde. "Mas não temos como dizer quantos estarão envolvidos na manifestação", disse.

O protesto é um desdobramento da primeira paralisação da categoria, realizada em abril deste ano. "Como a maior parte das operadoras não respondeu nossas reivindicações, resolvemos fazer essa nova mobilização", disse o vice-presidente do CFM, Aluísio Tibiraçá.

Médicos reivindicam o aumento da consulta para R$ 60,00. Atualmente, a média paga para profissionais é de R$ 40,00. "O preço de um corte de cabelo no Rio", comparou Tibiriçá.

O movimento pede ainda o fim da intervenção de operadoras na atuação de médicos, como cotas para pedidos de exames ou tempo máximo para internação em UTIs e a adoção de critérios e periodicidade para o reajuste.

"Os planos têm ajuste anual. Para profissionais, não há nenhuma previsão de ajuste. Não nos resta outra atitude além do conflito", disse Tibiriçá. Durante o anúncio do movimento nacional, o médico criticou a atuação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Ele afirma que a recente expansão de pessoas que têm planos de saúde não foi acompanhada pelo aumento da rede de assistência. "A desassistência a pacientes de planos avança a passos largos e se aproxima da registrada entre usuários do SUS", completou.

Em nota, a ANS afirmou que o operadoras devem providenciar para que consultas e exames de pacientes sejam marcados para outra data. A agência observou ainda que serviços de urgência e emergência deverão ser mantidos e que não é permitida a cobrança de valores adicionais. Para mais informações, o Disque ANS: 0800 701 9656.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]