i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Petróleo e gás

Fatia nacional em plataformas ainda é pequena

De acordo com especialistas, só 30% dos investimentos são aplicados no país; Petrobras fala em até 70%

  • PorAgência Estado
  • 11/07/2010 21:20
P-52, na Bacia de Campos: Lula contestava compras no exterior, mas pouco mudou | AFP
P-52, na Bacia de Campos: Lula contestava compras no exterior, mas pouco mudou| Foto: AFP

Oito anos depois do então candidato à Presidência da República Luiz Inácio Lula da Silva ter reclamado em campanha das compras de plataformas de petróleo no exterior, a qualidade das encomendas à indústria naval nacional permanece praticamente a mesma. Embora tenha havido aumento do volume de contratos locais, com a reabertura de estaleiros, o porcentual de conteúdo nacional em cada plataforma não avançou.

O Brasil continua apenas fornecendo produtos básicos e atuando na montagem das plataformas, deixando para fornecedores estrangeiros os equipamentos de maior complexidade tecnológica. "As encomendas cresceram em valor absoluto e não em valor relativo", diz o diretor executivo dos segmentos de petróleo e gás da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Alberto Machado.

Segundo especialistas do setor, apesar de a Petrobras divulgar que o conteúdo nacional das suas plataformas chega a 60% ou até a 70%, são excluídos deste cálculo os módulos de compressão de gás, geração de energia e até mesmo a conversão ou construção do casco das plataformas, que são feitos fora do Brasil. Somente estas encomendas, segundo técnicos do setor, representam em torno de 30% do investimento em uma unidade.

Em 2002, a polêmica sobre as encomendas de plataformas no país dividiu o setor entre os que acreditavam ser possível a construção de uma unidade aqui com conteúdo de até 80%, e os que defendiam ser melhor afretar plataformas no exterior, por ser mais viável economicamente.

No governo Fernando Henrique Cardoso, a Petrobras privilegiou o afretamento de plataformas e as poucas unidades compradas foram construídas fora do Brasil, com conteúdo local máximo de 30% a 40%, considerando a totalidade da obra. A última unidade a ser encomendada no governo passado, a P-50 teve seu casco convertido em Cingapura. Ao final da obra, já na gestão Lula, a estatal divulgou que a plataforma chegou a obter conteúdo local de quase 60%.

Tão logo assumiu o governo, Lula cancelou os dois editais que estavam licitando as plataformas P-51 e P-52, para acrescentar a cláusula que exige um conteúdo nacional mínimo de 65% na construção e de 75% na montagem da unidade. Os novos editais viraram padrão dentro do Programa de Mobilização da Indústria do Petróleo (Prominp) e servem de base para avaliação de financiamento a ser concedido pelo BNDES.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.