i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Riscos crescentes

FMI pede que países promovam reformas estruturais de longo prazo

  • PorFolhapress
  • 11/10/2014 15:52

A recuperação da economia global foi incompleta e mais fraca do que o esperado. Por isso, é preciso tomar medidas "ousadas e ambiciosas" que coloquem os países de volta no caminho de um crescimento sustentável e robusto, em especial reformas estruturais de longo prazo.Essa é a mensagem do comunicado final do encontro do Comitê Monetário e Financeiro Internacional (IMFC) do FMI, divulgado neste sábado (11).

"Políticas macroeconômicas acomodatícias devem continuar nas economias que ainda tenham ociosidade, acompanhadas da implementação decisiva de reformas estruturais críticas em todos os países", diz o texto do comitê, que reúne os 24 membros da diretoria-executiva do Fundo Monetário Internacional.

"Estamos claramente em recuperação, mas é uma recuperação incompleta", afirmou o presidente do IMFC, Tharman Shanmugaratnam, em entrevista à imprensa após o encontro. "Nossa maior preocupação é evitar o que a diretora-geral [do FMI, Christine Lagarde] chamou de 'um novo medíocre.'"

A necessidade dessas reformas estruturais foi o centro do comunicado - e do encontro. "Todos estavam concentrados no desafio real, as reformas estruturais, muito mais do que em políticas macroeconômicas", disse o presidente do IMFC.

"O objetivo desta reunião foi colocar um pouco de fogo na discussão, para que os ministros e presidentes de bancos centrais sejam energizados pelas conversas, pela troca de anotações, e possam voltar para casa para implementar isso. É como eu disse: sejam bravos. Façam isso acontecer. E usem todas as suas ferramentas", afirmou a diretora-geral do Fundo, Christine Lagarde.

"Para resolver os problemas de agora, precisamos aumentar o crescimento potencial. E isso significa reformas que não dão resultado imediatamente, mas que constroem a confiança no médio e longo prazos", disse Shanmugaratnam.

Ele reconheceu, no entanto, que o ritmo de implementação dessas reformas ainda é lento. "É preciso acelerar o ritmo", disse.

Na entrevista, Shanmugaratnam e Lagarde citaram países como Itália, Índia, México e Ruanda entre os que estão liderando essas mudanças. Segundo ele, há uma ampla escala de reformas que podem ser feitas sem comprometer a situação fiscal.

"Por que a Espanha está saindo da crise? E a recuperação na Irlanda? Eles passaram por reformas estruturais sérias, tiveram alguns percalços, mas estão vendo a recompensa. E é isso que está faltando, se me permitem dizer, em outros países europeus", disse o presidente do IMFC.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.