i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Escândalos empresariais

Fraude corporativa tem pequeno impacto na carreira dos envolvidos

  • PorVandré Kramer
  • 20/06/2019 18:00
Fraude
| Foto:

A sensação é de que a fraude corporativa ainda compensa. Um levantamento feito pela S2 Consultoria, especializada em gestão de risco, aponta que o impacto na carreira de funcionários que cometeram fraudes é pouco expressivo.

“Muitas empresas ainda não aplicam processos disciplinares por medo de enfrentarem demandas judiciais no futuro”, aponta Renato Santos, sócio-fundador do Instituto de Percepção do Risco Comportamental (IPRC).

A pesquisa aponta que os profissionais que se envolveram em fraudes levaram, em média, quatro meses para iniciar uma nova atividade. É três vezes menos do que as pessoas levam para se recolocarem no mercado de trabalho, de acordo com dados da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC).

Dois terços dos profissionais conseguiram uma recolocação em uma empresa privada e um terço como empreendedor. Segundo Gustavo Melchiori, pesquisador responsável, a rapidez na recolocação desses profissionais no mercado de trabalho mostra a fragilidade das empresas em identificar esse perfil de risco durante processos seletivos.

Um dos fatores que contribui para isso, de acordo com Santos, pode ser o perfil “mais envolvente e mais sociável” dos profissionais que se envolveram em fraudes. Três em cada quatro pessoas continuam atuando na mesma área e 50% dos fraudadores foram promovidos no novo emprego.

Oportunidades para a fraude

Segundo o relatório da pesquisa,

Isto nos permite entender que, em muitos casos, estes profissionais podem se deparar com uma oportunidade para seguir fraudando, afinal, estão agora munidos de maior responsabilidade e poder de decisão; entretanto, essas informações são de difícil consulta, uma vez que, mesmo quando ocorre a demissão por justa causa, tais informações não ficam registradas, seja na carteira de trabalho ou qualquer outra plataforma de acesso público.

Relatório do IPRC

Isto, segundo Santos, dá a ideia da percepção de que existe a impunidade e ajuda a fomentar uma cultura da fraude. “E, em muitos casos, há um certo espírito de benevolência por parte dos colegas do fraudador.”

Outro aspecto que favorece essas práticas é a cultura do ‘jeitinho’.  O especialista aponta que isto, muitas vezes, serve de justificativa para o fraudador.

Mudanças a caminho

Mas, Santos aponta que existem soluções para combater a fraude corporativa. Algumas delas já começam a ser colocadas em prática nas empresas brasileiras. Uma das soluções que vem ganhando destaque são os testes de ética e integridade, que ajudam os empregadores a identificar o grau de resiliência dos colaboradores em situações de dilemas éticos.

Outra é o aumento da capacitação em relação ao tema. Uma pesquisa divulgada pela consultoria KPMG no ano passado mostra que 28% dos profissionais não tinham recebido treinamento em corrupção e compliance em um período de 12 meses. E quando se refere a relacionamento de empresas com terceiros, 61% deles não receberam treinamento sobre o assunto no período.

O relatório da pesquisa da IPRC aponta que outra solução seria a existência de leis para a criminalização da corrupção na esfera privada, além do reforço de medidas que coíbam essas atitudes.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    MICHAEL GUSTAV ADOLF MULL

    ± 0 minutos

    Sequer li a matéria , apenas o título. Num país que é dominado pela impunidade , coronelismo , capitanias hereditárias , enfim , Lei de Gerson , esta matéria não me surpreende e sequer merece ser lida.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]