Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
 | Fernanda Carvalho/Fotos Públicas
| Foto: Fernanda Carvalho/Fotos Públicas

O fundador e CEO do WhatsApp, Jan Koum, afirmou no início da tarde desta terça-feira (19), em uma postagem em seu perfil no Facebook, que o novo bloqueio ao aplicativo de mensagens no Brasil é “revoltante”.

Koum afirma que a empresa “está trabalhando” para restabelecer o acesso ao app – por volta das 14h, usuários já sentiam o bloqueio do app, que não tem previsão para acabar.

LEIA MAIS: veja opções de aplicativos para substituir o WhatsApp

“É revoltante que menos de dois meses depois dos brasileiros e legisladores rejeitarem abertamente o bloqueio de aplicativos como o WhatsApp, a história esteja se repetindo. Como antes, milhões de pessoas são separadas de seus amigos, pessoas amadas, consumidores e colegas hoje, simplesmente porque nós estamos sendo chamados a dar informações que não temos”, escreveu o CEO do aplicativo.

Dessa vez, ao contrário de decisões anteriores, a Justiça pede que o WhatsApp faça um “grampo” em mensagens trocadas por usuários, para ajudar em uma investigação criminal. A decisão de bloquear o app partiu da juíza Daniela Barbosa Assunção de Souza, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias.

Em várias ocasiões, o WhatsApp já defendeu que não tem acesso às mensagens trocadas pelos usuários e que não arquiva esse tipo de informação. Em abril deste ano, uma atualização do app trouxe uma nova tecnologia de criptografia avançada, conhecida como “criptografia completa de ponta a ponta”. Por meio deste recurso, segundo o WhatsApp, fica garantido que, quando o usuário envia uma mensagem, a única pessoa que pode ler é a pessoa ou grupo de chat para o qual foi endereçada essa mensagem.

Veja abaixo a postagem feita por Koum:

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]