Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Operadora encerrou segundo trimestre com dívida bruta de R$ 51 bilhões. | Daniel Castellano/Arquivo/Gazeta do Povo
Operadora encerrou segundo trimestre com dívida bruta de R$ 51 bilhões.| Foto: Daniel Castellano/Arquivo/Gazeta do Povo

O fundo LetterOne (L1), do bilionário russo Mikhail Fridman, poderá apresentar, nas próximas semanas, uma proposta de aporte de US$ 3 bilhões na operadora Oi para tornar-se sócio da companhia, afirmou uma fonte familiarizada com a operação ao jornal O Estado de S. Paulo. A transação, contudo, está condicionada à participação da TIM no negócio.

As discussões para a entrada da LetterOne estão sendo conduzidas pelo BTG Pactual. “O aporte (do fundo) seria para viabilizar as trocas de ações entre as operadoras no futuro e promover a saída do BNDES (um dos principais acionistas da Oi) do negócio”, disse a mesma fonte. As conversas entre os gestores do fundo L1 com o BTG já estão em andamento há algumas semanas, mas ainda não há uma proposta firme na mesa. Procurados, Oi e BTG não comentam o assunto. A TIM e LetterOne não retornaram os pedidos de entrevista.

O bilionário Mikhail Fridman tem investimentos, por meio de seu fundo LetterOne, em companhias de telecomunicações da Europa. Em abril, o fundo L1 anunciou ao mercado planos para investir US$ 16 bilhões em empresas de telecomunicações, tecnologia e também óleo e gás.

Fridman é dono do Grupo Alfa, que controla um dos maiores bancos privados de investimento da Rússia. Nascido na Ucrânia, em 1964, o empresário pertence a uma das famílias mais ricas da Rússia. Ele começou seus negócios na área de entretenimento na década de 80. Hoje, seu grupo é controlador de operadoras de telefonia na Rússia, VimpelCom, e na Turquia, a Turkcell.

Saída

Se essa operação com a Oi for concretizada, abrirá caminho para que alguns dos principais acionistas da operadora, a quarta maior do país, entre eles o BNDES, a Telemar Participações e o próprio BTG, que fez aporte na empresa por meio do fundo Caravelas, saiam do negócio.

O fundo do banco tem 7% de participação, dos quais 3,5% são do BTG; o BNDES também tem quase 7% de fatia, e o fundo de pensão dos professores de Ontário tem outros 7%.

O Pharol , que reúne os acionistas da PT SGPS (antigos acionistas da Portugal Telecom), é o maior acionista individual.

A entrada de um investidor na Oi é considerada vital para a saúde financeira da companhia, que encerrou o segundo trimestre com dívida bruta de R$ 51,28 bilhões.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]