i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Energia

Governo ainda não tem solução para socorrer elétricas

Faltam R$ 2,5 bilhões para pagar as contas das distribuidoras referentes a 2014

  • PorEstadão Conteúdo
  • 08/01/2015 12:26

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, repetiu nesta quinta-feira, 8, que ainda não há uma definição para o socorro às distribuidoras de energia elétrica referente aos meses de novembro e dezembro de 2014 e disse que o governo ainda estuda opções e cenários para fazer uma avaliação da forma correta para se atacar o problema.

"Até o final do dia de hoje, a gente deverá ter algumas providências, mas devemos aguardar um pouco porque não há uma definição. Temos que estabelecer cenários a, b, e c para oferecermos ao governo alternativas", disse Braga. Segundo ele, essa decisão não será tomada apenas pelo MME, mas também pelo Ministério da Fazenda e pela Casa Civil. "A questão precisa ser equacionada ao longo do mês de janeiro".

Há uma expectativa de que o governo recorra mais uma vez a bancos para socorrer o setor. A ideia é de que BNDES, Banco do Brasil e Caixa possam financiar uma terceira parcela de empréstimo às distribuidoras de energia, no valor estimado de R$ 2,5 bilhões.

O recurso é necessário para que as distribuidoras paguem despesas com a compra de energia no mercado de curto prazo no fim do ano e produzida por usinas térmicas. O gasto de novembro, de R$ 1,6 bilhão, vence na segunda-feira, dia 12 de janeiro. Mas as empresas não têm caixa para pagar. É mais provável que essa data seja adiada, já que é muito pequena a possibilidade de que o empréstimo - se a solução for mesmo empréstimo - seja fechado até a próxima semana. A parcela de dezembro está estimada em R$ 900 milhões e vencerá em fevereiro.

Se aprovado esse eventual terceiro empréstimo, o setor elétrico terá consumido R$ 20,3 bilhões em financiamentos bancários para pagar pela energia no mercado à vista apenas de 2014. A primeira parte do financiamento foi fechada em abril, teve a participação de dez bancos e atingiu R$ 11,2 bilhões. A segunda, firmada em agosto, contou com um consórcio de 13 bancos e somou R$ 6,6 bilhões. A diferença dessa terceira operação é que, agora, apenas os bancos públicos devem financiar o valor.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.