i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Contas públicas

Preocupação com rumo do governo afeta a dívida pública. Quais os riscos para o país

  • Brasília
  • 15/10/2020 15:09
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes: discussão sobre novo programa social e eventual quebra do teto de gastos preocupam mercado e afetam gestão da dívida pública.
O presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes: discussão sobre novo programa social e eventual quebra do teto de gastos preocupam mercado e afetam gestão da dívida pública.| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A preocupação dos investidores com um possível afrouxamento da política de austeridade fiscal do governo para criar um novo programa social tem afetado a gestão da dívida pública. Eles estão cobrando prêmios (juros) mais altos para investir em títulos públicos e privados de médio e longo prazo no Brasil, justamente num período em que o Tesouro Nacional enfrenta problemas de liquidez para rolar a dívida, isto é, emitir dívida nova para pagar dívida antiga. Tal situação pode colocar o país à beira de uma crise fiscal, que trará reflexos para toda a sociedade.

A situação é explicitada pelos chamados juros futuros, ou seja, quanto os investidores pedem em troca – o chamado prêmio – para comprar títulos com vencimento daqui a alguns anos ou décadas. Quando os investidores estão pedindo prêmios mais altos, significa que a confiança na política fiscal está abalada.

Os juros futuros são o melhor indicador para mostrar como a preocupação com os rumos do governo está afetando a gestão da dívida pública, segundo Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos.

Ele avalia que esses juros são um termômetro mais preciso do desconforto com a parte fiscal do que a Bolsa, por exemplo. Isso porque o Ibovespa acaba sendo muito influenciado por variações externas, como no minério de ferro e no petróleo, que afetam diretamente Vale e Petrobras, que têm maior participação no índice.

“A curva de juros futuros é um indicador mais fidedigno [para a situação fiscal], porque ali você consegue ver de fato a exigência de prêmio pelo risco país. Quanto mais longo o título exigindo prêmio mais alto, quer dizer que a preocupação é muito maior pela questão de risco país. Você tem, então, a exata noção de como o mercado está vendo a sua economia”, diz Franchini.

Por causa do bate-cabeça recente do governo em torno do novo programa social, os investidores começaram a exigir prêmios mais altos em títulos de médio e longo prazo. O título do Tesouro prefixado com vencimento em 2026 está pagando 7,34% de juros ao ano. Em agosto, a taxa estava em cerca de 6%. Movimento semelhante ocorreu praticamente com todos os títulos do Tesouro e também com os Fundos DI nas últimas semanas. Os Fundos DI são fundos privados que aplicam quase a totalidade dos recursos em títulos do Tesouro atrelados à Selic.

A desconfiança levou a um movimento raro no mercado. Investidores passaram a exigir um prêmio para comprar LFTs, títulos do Tesouro atrelados à Selic. O juro adicional (além da Selic, hoje em 2% ao ano) exigido pelos compradores chegou a 0,37% ao ano, agora está em 0,19%.

Com essa exigência de prêmio mais alto, associado à percepção de risco maior, esses títulos se desvalorizaram. Isso é, o valor de mercado deles diminuiu, o que significa que quem os vendeu no momento da baixa perdeu dinheiro (quem, no entanto, permanecer com os títulos até o vencimento, recebe na íntegra o valor do título mais todo o juro prometido pelo Tesouro). Com a desvalorização momentânea das LFTs, os Fundos DI, que as acompanham, também sofreram uma rara desvalorização com a chamada "marcação a mercado" – que é a atualização, em geral diária, do valor de um ativo de renda fixa.

Segundo Franchini, isso só tinha acontecido antes nos anos 2000, mas era quase imperceptível. "A gente até teve essas marcações a mercado nas LFTs em alguns momentos de estresse no Brasil, principalmente ali no começo dos anos 2000, com as incertezas do novo governo. O problema é que, nessa época, a taxa de juros do Brasil era de 20%. Por mais que a marcação estivesse sendo feita, era quase imperceptível, devido aos juros que já estavam elevados. Agora, em cima de 2% [taxa de juros atual], é mais perceptível.”

Como chegamos até aqui

A exigência de prêmios mais altos nos títulos públicos e privados é explicada por dois motivos. Primeiro, porque a dívida pública do Brasil vai chegar a quase 100% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, em virtude das muitas emissões que o Tesouro teve de fazer para financiar os programas emergenciais de combate à Covid-19 e seus efeitos na pandemia. O país já vinha de uma dívida alta – antes da pandemia, a previsão era fechar o ano em torno de 75% do PIB – e agora ficou ainda pior.

O segundo motivo são os sinais que o governo pode abandonar a política de austeridade fiscal. O pano de fundo é a criação de um programa social para substituir o Bolsa Família. Não há espaço dentro do Orçamento para criá-lo e o presidente Jair Bolsonaro não aceitou o corte, sugerido pela equipe econômica, de uma série de despesas de caráter social.

Integrantes do próprio governo passaram a defender a flexibilização do teto de gastos para criar o programa, de forma a deixá-lo de fora das limitações legais. Com o eventual drible no teto, a percepção do mercado é de que a dívida pública crescerá ainda mais rápido.

A equipe econômica é contra esse artifício e diz que vai achar uma solução. Só que a solução ficou para depois das eleições municipais, e o clima de incerteza permanece.

Tesouro em sinal de alerta

Em meio a tudo isso, há ainda a dificuldade de financiamento do Tesouro, que vem de antes da discussão do novo programa social. A secretaria responsável pelo “cofre” do governo está tendo que emitir títulos mais curtos, ou seja, com prazo de vencimento mais próximo – o que é ruim, porque aumenta a dívida de curto prazo sem que a situação fiscal do país esteja bem encaminhada.

Os títulos que vencem em abril do próximo ano, por exemplo, já somam R$ 268 bilhões, segundo o Tesouro Nacional. O montante equivale a 19% do total de dívida prefixada e a pouco mais de 6% de toda a dívida pública.

Essa situação é preocupante porque emitiu um “alerta amarelo” na gestão da dívida, afirma Sergio Goldenstein, estrategista da Omninvest e ex-diretor do Banco Central. “Uma dívida maior a ser refinanciada, com aumento dos vencimentos no curto prazo, emite um sinal amarelo. Neste ano de 2020, o Tesouro recorreu ao seu colchão de liquidez, reforçado pela transferência do lucro cambial do Banco Central, mas esse é um expediente não recorrente”, explica.

Ele se refere à transferência de R$ 325 bilhões do Banco Centra ao caixa do Tesouro, a pedido do governo. O dinheiro é fruto do lucro cambial registrado pela autoridade monetária no primeiro semestre deste ano com as suas reservas em dólares. A transferência foi autorizada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) devido às severas restrições para a gestão da dívida pública por parte do Tesouro.

Goldenstein afirma, ainda, que a acentuada inclinação da curva de juros indica que o atual patamar da taxa Selic não é condizente com os riscos fiscais. “Como resultado, o Tesouro vem encontrando dificuldade para emitir títulos de LFT e passou a concentrar suas emissões em títulos prefixados de curto prazo. O problema é que isso aumenta o risco de refinanciamento do Tesouro e ainda tende a pressionar o segmento da curva de juros que baliza com maior intensidade o crédito privado”, completa.

O que pode ocorrer se a situação não mudar

Se a situação não se resolver, ou se for resolvida com um afrouxamento da política de austeridade, o governo pode cair numa crise fiscal. É o que alertaram o Fundo Monetário Internacional (FMI), indiretamente, e o Deutsche Bank, diretamente, ambos em relatórios emitidos neste mês.

Em comunicado a clientes, o banco alemão afirmou que a política fiscal do Brasil está convidando a uma “crise da dívida”. Isto é, o Tesouro Nacional terá de pagar cada vez mais juros para vender seus títulos e um dia pode não conseguir rolar a dívida.

O banco alerta, ainda, para a “falta de comprometimento com a contenção de gastos”, o que pode empurrar o Brasil para um “abismo fiscal". “O tempo é difícil de determinar. Esses eventos [crise fiscal] normalmente demoram muito para acontecer, mas podem desdobrar mais rápido do que o esperado [no Brasil]”, diz o Deutsche Bank.

O FMI foi menos direto, mas ainda assim incisivo na importância da manutenção do teto de gastos para manter o risco país sob controle. “Com a dívida pública subindo para 100% do PIB, preservar o teto de despesas constitucional como uma âncora fiscal é essencial para apoiar a confiança do mercado e manter o prêmio de risco contido.”

“Na ausência de evidências inequívocas da manutenção do teto de gastos, qualquer despesa adicional poderia minar a confiança do mercado e elevar as taxas de juros”, completa o FMI, ressaltando que é “necessária uma consolidação fiscal substancial para reduzir o déficit primário [do governo central]”, medida necessária para “estabilizar a dívida pública no médio prazo”.

Como tudo isso afeta o dia a dia da economia

Caso o país entre realmente numa crise fiscal, as consequências serão sentidas por toda a sociedade. “Cada vez que você precisa elevar o prêmio para que o mercado compre seus títulos, você está com uma má reputação. A má reputação vai te machucar no médio e longo prazo”, diz Rodrigo Franchini, sócio da Monte Bravo Investimentos.

“Daqui a dois, três anos, ou mais, o que pode acontecer: alta de juros; você não consegue reduzir esse juro local, porque é mau pagador; a sua dívida começa a se tornar impagável; você não tem mais margem fiscal para fazer qualquer investimento; a inflação sobe; o dólar vai continuar alto”, resume. “Você não tem mais como fazer crescer a economia por meios fiscais e monetários, mas a sua dívida continua crescendo”, conclui.

14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 14 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • O

    Osvaldo

    ± 1 dias

    Agora é segurar os gastos ...e fazer a turma trabalhar ...ahhhh ! não esquecer de cobrar dívidas dos estrangeiros pela Amazônia..

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Alexandre Paranaense

    ± 2 dias

    Muito papo e pouca ação neste governo

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Juliano

    ± 2 dias

    Volta, Temer.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Nm

    ± 2 dias

    Resultado do Fecha Tudo, o Governo federal teve um endividamento record com a pandemia. Isso foi noticiado todos os dias, cerda de 50% do PIB, agravando as contas públicas que já estavam deterioradas pelos governos de Lula e Dilma.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    SERGIO RODRIGUES MARTINS

    ± 3 dias

    Está cheio de especialistas aqui na área de comentários! Podem ficar tranquilos que torcida contra não ganha jogo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • J

      julio marcos Correia

      ± 3 dias

      Nem precisa torcer contra, é só averiguar no "cofrinho" dos "camaradas"... kkkkkkkkkkk kkkkkkkkkkk

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • N

      NH4NO3

      ± 3 dias

      A família Bozo não tem currículo nem para chapeiro do Mc. Dá licença bobão.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • L

      LSB

      ± 3 dias

      Isso não é futebol.. não entendeu nada...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Mitinho

    ± 3 dias

    Fácil criticar o atual Governo. Agora navegar ao meio de uma crise criada mundialmente de forma artificial ou não, isto os opositores não se conscientizam. Os 14 anos de roubos e desconstrução patrocinados pelo pt e governos anteriores não serão consertados no grito. Os detratores de plantão se esquecem da massa de desempregados e pessoas sem renda que surgiram só neste ano, mas entendem que o governo tem que resolver... vão aos seus deputados e senadores e cobrem deles menos mordomias e um mínimo de patriotismo, cínicos e inconsequentes!!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • X

      Xicote

      ± 2 dias

      Como sempre...culpa dos outros !!!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • L

      LSB

      ± 3 dias

      Amigo, não é essa a questão... os mercados não estão nem aí para a sua ou qualquer outra argumentação... a questão é “matemática”: vai ter condições de pagar??

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • S

      SERGIO RODRIGUES MARTINS

      ± 3 dias

      Disse tudo!

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO BARBASKI

    ± 3 dias

    Opa, baixar Selic na marra e se descuidar da política fiscal, acho que já vimos isso antes, não? Pro governo se financiar sem se endividar mais (já está batendo 100% do PIB) é só na base da inflação. Justamente o que não precisamos! Parabéns aos envolvidos. Daí depois se perguntam pq somos cada vez mais uma nação de pobres comandados por uma elite de compadres do Estado. Troca o governo mas os compadres são sempre os mesmos! E há quem diga que dessa vez ia ser diferente. Acho que na próxima melhor votar num político de carreira mesmo, mas q seja comprometido em não ser populista.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    NH4NO3

    ± 3 dias

    Governo de compadres. Pessoas desatualizadas, completamente fora da realidade. São pessoas conservadoras, descoladas do presente e distantes do futuro. Em um mundo em trasição, este governo está nas perdido do tempo. Pode esquecer. Estes 46% de bobões que aprovam este governo. a grande maioria mudará de opinião, quando perceberem que estão na lama, sem esperança. É um governo sem projetos concretos, é um governo sem projetos consistentes. Vive de oportunismo, pensando na eleição. São tão caras de pau que nem disfarçam o gostinho de permanecer no poder para sempre. Falem mal do PT.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.