i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Impostos

Governo lança plano simplificado para inclusão de autônomos no INSS

Existem 18 milhões de trabalhadores brasileiros que não contribuem com o INSS. No novo plano, alíquota baixou de 20% para 11%

  • PorG1
  • 07/04/2007 11:31

Existem 18 milhões de trabalhadores brasileiros que não contribuem com o INSS. Para levar essas pessoas para dentro do sistema, o governo lançou esta semana um Plano Simplificado de Inclusão Previdenciária que reduz o valor mensal da contribuição.

Pelas novas regras, quem contribui com base no salário mínimo vai pagar R$ 41,80. Antes eram R$ 76. A alíquota baixou de 20% para 11%. "A única diferença entre o plano tradicional e o plano simplificado é que as pessoas não vão ter direito a aposentadoria por tempo de contribuição, e sim por idade: homens aos 65 e mulheres aos 60 anos de idade. No mínimo de 15 anos de contribuição, de carência. Agora, as pessoas terão direito a salário maternidade, auxílio doença e também terão direito à pensão", explica o delegado da receita previdenciária de Belo Horizonte, Euler de Oliveira.

O novo plano vale para quem trabalha por conta própria; sócios de pequenos negócios com faturamento bruto anual em 2006 de no máximo R$ 36 mil; contribuintes facultativos como donas de casa, desempregados, estudantes acima de 16 anos ou bolsistas.

Em todos esses casos, a contribuição tem que ser sobre um salário mínimo. "É muito importante para o trabalhador brasileiro deixar de ter o que eu chamo de 'miopia' em relação ao seu futuro. Trabalha hoje, mas não pensa no momento em que a força de trabalho dele pode faltar. Aí fica sem nenhum tipo de segurança, sem nenhum tipo de respaldo por parte da previdência", diz a especialista em direito previdenciário Carolline Scofield.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.