012005

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Governo vai repassar metade do lucro do FGTS aos trabalhadores

PACOTE ECONÔMICO

Governo vai repassar metade do lucro do FGTS aos trabalhadores

Rendimento da conta vinculada deve subir dos atuais 3% ao ano (mais TR) para 5% ou 6% (mais TR), estima o governo

  • Fernando Jasper
  • Atualizado em às
O uso do FGTS para pagar dívidas não foi anunciado, mas continua em discussão, segundo o governo. | Marcos Correa/PR
O uso do FGTS para pagar dívidas não foi anunciado, mas continua em discussão, segundo o governo. Marcos Correa/PR
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O governo federal anunciou nesta quinta-feira (15) que vai dividir com os trabalhadores metade do lucro líquido do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O repasse é uma antiga reivindicação de sindicalistas e estudiosos do assunto.

Esse lucro, que hoje fica integralmente com o FGTS, é o valor que sobra após o pagamento de todas as despesas do Fundo, da remuneração das contas vinculadas ao pagamento de subsídios para a habitação. Segundo o governo, a distribuição de lucros “não altera disponibilidade de recursos dos programas de desenvolvimento urbano”, em áreas como habitação, saneamento e mobilidade urbana.

O governo estima que esse repasse de “dividendos” deve elevar o rendimento do FGTS do trabalhador para 5% ou 6% ao ano, mais a Taxa Referencial (TR). Ou seja, pode praticamente dobrar o rendimento atual, de 3% ao ano mais TR, aproximando-o da caderneta de poupança (6,17% mais TR).

O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, ressaltou que esses cálculos são simulações, e que o rendimento efetivo das contas vinculadas vai depender do lucro do FGTS em cada ano. Em 2015, ele foi de R$ 13,3 bilhões.

A medida faz parte de um pacote de medidas “microeconômicas” que têm o objetivo de reduzir a burocracia e aumentar a produtividade e o crescimento da economia brasileira. Nenhuma delas deve ter grande impacto no curto prazo, mas o governo espera que elas melhorem o ambiente econômico para assegurar uma expansão mais forte no futuro.

FGTS para pagar dívidas

A permissão para o uso de parte do FGTS para o pagamento de dívidas bancárias, que era esperada, não foi anunciada. Mas, segundo o ministro do Planejamento, o governo continuará a discussão, “mais detalhadamente”, sobre a possibilidade de saque do fundo para esse fim.

Multa menor na demissão

O governo também anunciou que a multa adicional – de 10% do saldo do FGTS – na demissão sem justa causa será reduzida em um ponto porcentual ao ano. Ela será zerada em uma década, portanto.

Quando demitem sem justa causa, as empresas pagam ao trabalhador o equivalente a 40% de tudo o que depositaram em sua conta do FGTS. Em 2001, o governo Fernando Henrique Cardoso instituiu uma cobrança adicional de 10%, paga pelas empresas ao Fundo – e não aos trabalhadores – com o objetivo de cobrir um déficit provocado pelo pagamento de “expurgos inflacionários” dos planos Verão e Collor I.

O setor produtivo argumenta que essa conta terminou de ser paga em 2007, e que portanto o adicional deveria ser extinto. Um projeto de lei do Senado (PLS 198/2007) que eliminava essa cobrança foi vetado em 2013 pela presidente Dilma Rousseff, com o argumento de que provocaria impacto superior a R$ 3 bilhões no FGTS, à época.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>