Vacinação em massa é “capítulo mais importante” para encerrar crise da Covid-19, diz Guedes
| Foto: Edu Andrade/Ascom/ME

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira (18) que o capítulo mais importante para pôr fim à crise causada pela pandemia de Covid-19 vem agora: a campanha de vacinação em massa da população. A informação foi feita em entrevista coletiva de balanço de ações da pasta e de perspectivas para 2021. A coletiva durou duas horas e meia.

"Ainda não vencemos essa luta. O capítulo mais importante dessa luta vem agora, a vacinação em massa, 20 bilhões de reais para vacinação em massa dos brasileiros", afirmou o ministro. "O Brasil é um pássaro e para voltar a voar precisa bater a asa da recuperação econômica e da saúde", completou.

Segundo o ministro, só é possível transformar a recuperação econômica cíclica iniciada no terceiro trimestre deste ano em uma recuperação sustentável com a vacinação, para afastar o risco de novas medidas de isolamento social. "Isso [a recuperação sustentável] só será possível se tenhamos esse retorno seguro ao trabalho, e esse retorno seguro ao trabalho exige a vacinação em massa."

Guedes afirmou que a vacina tem de ser gratuita para toda população, mas não obrigatória. "Vacinação não onerosa, gratuita, de forma voluntária é o que precisamos para que a asa da saúde bata ao mesmo tempo que a asa da recuperação econômica."

Porém, disse ter gostado da ideia de um "passaporte de vacinação", ou seja, de restrições às pessoas que não se vacinarem. "Se alguém não quiser tomar, tem direito. Mas também não pode ir ao cinema. Gostei da ideia de ter um passaporte de imunização", explicou. "Como ministro eu acho que todo mundo tinha que pensar em vacinação em massa. Eu acho que faz todo sentido existir a vacinação em massa. Mas não podemos obrigar", ponderou.

Questionado se tomaria a vacina, Guedes afirmou ter direito à privacidade sobre a sua saúde, mas acabou falando que, se duas sociedades [Estados Unidos e Reino Unido] que considera extraordinariamente avançadas estão tomando determinada vacina, ele vai olhar e falar "quero essa aí, rápido".

Sobre a possibilidade de uma segundo onda, o ministro afirmou que o governo está observando se o que está acontecendo é de fato uma nova crise epidemiológica ou apenas um repique. "Se for segunda onda em versão diferente do vírus, ou alguma coisa que não estamos compreendendo, seria uma situação muito mais grave. Estamos observando isso."

Ele acrescentou que, caso observada realmente uma segunda onda no Brasil, a resposta será tão incisiva quanto a deste ano. O ministro lembrou o governo gastou R$ 600 bilhões para combater à pandemia.

"Hoje o plano A é a economia voltando e a pandemia cedendo. Se não for, teremos que pensar. Mas nós aprendemos e faremos o que deu certo e não faremos o que deu errado. Mas a grande esperança é a vacinação em massa para garantir o retorno seguro ao trabalho."

Ministro elogia "resiliência" do povo e comemora projetos para destravar "fronteira de investimentos"

O ministro avaliou o ano de 2020 foi "extremamente difícil", mas elogiou a resiliência do povo brasileiro durante toda essa pandemia. Ele também disse que, do ponto de vista econômico, o Brasil foi uma economia que "reagiu extraordinariamente bem e surpreendeu o mundo".

Ao longo da coletiva, o ministro lembrou de todas as medidas adotadas pelo governo para diminuir o impacto da crise, como auxílio emergencial, Programa de Manutenção de Emprego e Renda, programas de crédito e transferências para estados e municípios. Ao todo, o governo gastou R$ 600 bilhões neste ano para preservar saúde, empregos e empresas, lembrou Guedes.

Guedes também comemorou o andamento de diversos projetos para destravar a "fronteira de investimentos", como os marcos do saneamento, do gás natural e a BR do mar, além da independência do Banco Central e as concessões. Alguns ainda precisam de aprovação final do Congresso.

"Brasil terá em 2021 a maior fronteira do investimento do mundo. Se quiser investir em petróleo? Vamos mudar pra concessão. Quer investir em gás natural? Pode. Quer investir em cabotagem? Também, com a BR do Mar. As concessões, as privatizações. Temos uma enorme gama de investimentos."

27 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]