i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Pará

Indígenas mantêm ocupação na usina de Belo Monte

Índios ocupam o canteiro desde a madrugada de segunda-feira. Eles exigem suspensão dos estudos e das obras nos Rios Xingu, Tapajós e Teles Pires

  • PorAgência Estado
  • 31/05/2013 08:04

Os cerca de 170 indígenas acampados na Usina Hidrelétrica Belo Monte em Vitória do Xingu, no Pará, reiteraram nesta quinta-feira (30) que não sairão do canteiro de obras, o Sítio Belo Monte, mesmo com a determinação da Justiça Federal. Eles exigem a retirada imediata da polícia do canteiro. O prazo determinado pela Justiça para saída pacífica dos índios terminou às 17h de ontem (29).

Os índios ocupam o canteiro desde a madrugada de segunda-feira. Eles exigem suspensão dos estudos e das obras nos Rios Xingu, Tapajós e Teles Pires e a realização a consulta prévia, prevista na Constituição e na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Hoje (30) o clima foi tenso no sítio. Os índios ameaçavam atear fogo nas instalações da usina, caso a polícia insistisse em cumprir a reintegração de posse. "Enquanto houver a presença dos policiais da Força Nacional, não podemos dialogar", afirmaram os indígenas em carta escrita hoje (30) pela manhã.

Apesar dessa decisão, os manifestantes temem que aconteça o mesmo que ocorreu na ação da Polícia Federal em Mato Grosso do Sul. Lá uma ação de reintegração de posse na terra indígena Buriti terminou com a morte de um índio terena na manhã de hoje (30).

Na carta divulgada ontem (29), os indígenas reafirmaram a decisão de radicalizar. "O massacre foi anunciado e só o governo pode evitar", dizia trecho do documento. Até às 18 horas de hoje (30) a determinação da Justiça Federal não havia sido cumprida. A assessoria da Polícia Federal informou que é difícil que essa determinação seja cumprida antes de segunda-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.