i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
'Ativismo societário'

Índios compram ações da Rumo para denunciar empresa a acionistas

    • Folhapress
    • 25/04/2019 09:52
    rumo-logistica-conflito-indios-acionistas
    Rumo opera ferrovias da Malha Paulista e venceu leilão para administrar trecho da Norte-Sul. (Foto: Divulgação)| Foto:

    Em uma estratégia inédita no país, indígenas guaranis de São Paulo adquiriram ações de uma grande ferrovia para poder apresentar denúncia aos outros acionistas da companhia sobre falta de cumprimento de medidas ambientais e de proteção aos seus direitos. A carta foi lida por indígenas na quarta-feira (24) em Curitiba (PR) durante a assembleia anual da Rumo Logística, a maior operadora ferroviária do país, com quatro concessões e 12 mil km de linhas férreas.

    Conhecida como “ativismo societário”, a compra de ações de grandes empresas por ativistas para provocar a discussão interna nas empresas sobre suas políticas que têm impacto em populações e meio ambiente é prática pouco usada no Brasil. Entre indígenas, é a primeira iniciativa do gênero. Para participar da assembleia, os guaranis compraram seis ações da Rumo, cotadas na terça (23) em cerca de R$ 17 cada uma.

    A Rumo detém a concessão sobre a Malha Ferroviária Paulista e duplicou o trecho Itirapina-Cubatão, usado para transporte de cargas do litoral para o interior e vice-versa. Para compensar impactos causados pela obra, segundo o Ministério Público a empresa tem que cumprir uma série de condicionantes ambientais e indígenas. Entre as medidas prioritárias estão a construção de casas, locais de reza e uma ponte, criação de hortas comunitárias e aquisição de microtratores. A obra da ferrovia impacta cerca de 5.000 guaranis que habitam cinco terras indígenas nos municípios de São Paulo, Mongaguá e Itanhaém e Praia Grande (SP), em uma das poucas regiões preservadas de Mata Atlântica no estado de São Paulo.

    Os indígenas afirmam, na carta lida aos acionistas nesta quarta-feira, que das 101 atividades de mitigação e compensação assumidas pelas empresas, 72 “estão totalmente paralisadas nesse momento”.

    Relatórios da Funai (Fundação Nacional do Índio) e manifestações do Ministério Público Federal de São Bernardo do Campo (Grande SP) afirmam que a ferrovia está descumprindo os termos de um plano básico ambiental formulado pela própria empresa em novembro de 2013.

    “Dormimos e acordamos todos os dias com o barulho dos trens que passam carregados no meio das nossas aldeias. As caminhadas pelo território e os momentos de andar com as crianças e transmitir ensinamentos dos nossos velhos se tornaram uma preocupação de garantir que ninguém seja atropelado por um trem. Até mesmo a caça que passava por esses lugares fugiu, e já não encontramos muitos dos pássaros e outros bichos que só sabemos que existem porque nossos velhos contam”, diz a carta dirigida aos acionistas.

    Os guaranis afirmaram que receberam “com espanto” uma declaração da Rumo que consta do Relatório de Sustentabilidade Anual da empresa, segundo a qual ela estaria “cumprindo perfeitamente, de maneira 'participativa e inclusiva', as medidas que o Ibama e a Funai determinaram para serem executadas em nossas comunidades”.

    Os indígenas disseram aos acionistas na carta: “Não é verdade! […] As poucas ações que estão em andamento funcionam muito mal, porque a equipe de licenciamento da Rumo simplesmente não sabe nos ouvir, acham que sabem muito mais que a gente! […] Os senhores estavam cientes de que a Rumo tem tomado essa postura?”

    Um dos coordenadores do Comitê Interaldeias, criado pelos índios para fazer a aplicação dos recursos, o professor indígena e guarani Tiago Santos, cuja aldeia fica a apenas 2 km da passagem do trem, disse que antes de procurar a assembleia dos acionistas os indígenas tentaram um acordo extraoficial com a Rumo. O Interaldeias passaria a receber incumbências e recursos para realizar as próprias obrigações da companhia.

    A empresa, segundo Santos, a princípio ficou muito empolgada e passou a ajudar na elaboração da parceria. Conforme uma ata de um encontro assinada pelo próprio representante da Rumo, “a proposta foi recebida com entusiasmo pelos representantes da Rumo, Funai, [a empresa contratada] Ecology e MPF, que reafirmaram o valor e a importância de que os povos indígenas possam assumir para si o protagonismo sobre seus destinos”.

    Porém, logo após as eleições presidenciais que determinaram a vitória de Jair Bolsonaro (PSL-RJ), a empresa mudou de discurso, segundo os indígenas e o MPF.

    “Abruptamente, porém, em 20 de novembro de 2018, a Rumo cancelou participação na reunião agendada, e passou a se recusar inclusive a comparecer à aldeia para esclarecimentos”, diz um texto do MPF.

    “O Ministério Público Federal informa, ademais, que promoveu em sua sede, entre novembro de 2018 e março de 2019, cinco reuniões de mediação, entre a empresa Rumo, Funai e Comitê Interaldeias, com objetivo de fazer cessar a infração, mas por desídia da empresa Rumo, todas as tentativas foram frustradas”, afirma o MPF.

    No último dia 19, o procurador da República que atua no caso, Steven Shuniti Zwicker, recomendou ao Ibama que aplique uma multa de R$ 10 milhões contra a Rumo e também que proceda a "a suspensão imediata da Licença de Instalação nº 998 e das obras de duplicação do Trecho Itirapina-Cubatão, da Malha Ferroviária Paulista”, cabendo ao Ibama “considerar as conclusões do presente documento para avaliar o pedido de renovação da mesma realizado pela empresa Rumo Malha Paulista".

    O assunto também chamou a atenção da organização não governamental britânica Survival International.

    Em carta ao presidente do conselho administrativo da Rumo, Rubens Ometto Silveira Mello, a Survival disse que “o não cumprimento do acordo e o desrespeito aos direitos dos indígenas constitui uma violação da política de 'compliance' da Rumo, e uma violação da lei brasileira e da lei internacional. Gostaríamos de saber quais ações a Rumo vai realizar nas próximas semanas para retificar essas violações dos direitos indígenas, com transparência e em plena consulta às comunidades”.

    Rumo diz que diálogo com índios foi rompido de maneira unilateral

    Em nota à reportagem, a Rumo afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que “vinha executando normalmente os projetos decorrentes” do CI-PBA (Componente Indígena do Plano Básico Ambiental) mas em julho do ano passado a companhia teria sido informada, “de maneira unilateral, que o Comitê Interaldeias pretendia receber as verbas destinadas às ações e assumir a execução delas”.

    “Não se tratava de uma reunião deliberativa, e nenhum acordo foi firmado na ocasião. Representantes da companhia foram impedidos de entrar no território e dar continuidade às obrigações previstas no CI-PBA. A Rumo não possui garantias de que o Comitê Interaldeias realizará tais obrigações com a qualidade exigida e, portanto, espera que a Funai e o Ibama auxiliem no desenrolar da questão, no sentido de garantir que as obras possam ser devidamente executadas. A Rumo esclarece ainda que já foi concluída grande parte da obra de duplicação nos 215 quilômetros de via, incluindo os 55 quilômetros em área de interferência em terras indígenas, com os devidos licenciamentos para sua realização”, diz a nota da Rumo.

    14 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 14 ]

    Máximo 700 caracteres [0]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

    • A

      Andrade

      ± 3 dias

      Isso é protesto, agir com a cabeça, com inteligência. Parabéns aos indígenas bem informados.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • R

      Ricardo Fanti

      ± 3 dias

      Depois dizem que o novo governo está decepcionando. Só o fato de esses podres virem à tona, já é indício que as coisas vão mudar. Vemos os lulopetistas desesperados inventando projetos para impedir o presidente de mexer nas universidades, vemos tentar dificultar privatizações, vemos cada vez mais mandos e desmandos dos "nomeados" do judiciário... estão com os dias contados. É só termos paciência. Alguém reparou que não tivemos o famoso Abril Vermelho do MST? Rabinho entre as pernas e, em breve, desespero.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • N

      Nelson José de Oliveira

      ± 3 dias

      Não seria esta uma boa oportunidade para a sociedade brasileira repensar e rediscutir este assunto do índio com tantos direitos, com tanto dodói? Afinal, o que foi que o índio fez para ser dono de tanta terra, sem nunca fazer nada? Foi somente o fato de ter nascido aqui? Eu também nasci aqui e não tenho direito a nenhuma terra gratuita. O que faz do índio um sujeito tão mais especial que eu ou qualquer outro de nós?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • N

      Nelson José de Oliveira

      ± 3 dias

      Não seria esta uma boa oportunidade para a sociedade brasileira repensar e rediscutir este assunto do índio com tantos direitos, com tanto dodói? Afinal, o que foi que o índio fez para ser dono de tanta terra, sem nunca fazer nada? Foi somente o fato de ter nascido aqui? Eu também nasci aqui e não tenho direito a nenhuma terra gratuita. O que faz do índio um sujeito tão mais especial que eu ou qualquer outro de nós?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • C

      CRISTIANO ARAUJO

      ± 3 dias

      E índios têm dinheiro para comprar ações? Não entendi.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • L

      LIX

      ± 3 dias

      Inimputáveis bem esclarecidos e conscientes ou massa de manobra de alguém que quer embolsar diretamente a verba que a Rumo desembolsaria???

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • D

      Decio mango

      ± 3 dias

      Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • A

      Afonso Celso Frega Beraldi

      ± 3 dias

      Independente de qualquer coisa, não faltou a apoteótica frase, de que "tudo começou após a eleição de Bolsonaro". Instruidos direitinho por ONGs.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • E

      Eden Lopes Feldman

      ± 3 dias

      Eu também gostaria que automóveis não passassem na rua onde moro "fazendo barulho"...mas, prefiro totalmente o progresso ao retrocesso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • E

      EDUARDO SABEDOTTI BREDA

      ± 3 dias

      Aí vêm me dizer que índio é inimputável porque não compreende as consequência dos atos praticados.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • R

      Ricardo Fanti

      ± 3 dias

      Índios cooptados pelas forças do mal. Em tempo: sabiam que o índio que entra numa universidade federal passa a receber um salário enquanto está lá? e que, em vista disso, não fazem a menor questão de se formar? e que, quando o prazo está expirando fazem novo vestibular e continuam ganhando dinheiro público na moleza? Índios são como qualquer ser humano: deu moleza, se aproveita; não tem nada de santinho. Chega de favorecer esse ou aquele sob pretexto de dívida histórica; isso é papo de comuna. Todos são iguais e pronto.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • T

      Thiago_MR

      ± 3 dias

      HAHAHAHA!!! Índios compram lote de ações para participar do conselho e pedem para que a RUMO transfira os valores para que um "organismo" faça utilização da verba!?!?!? Esses índios estão muito moderninhos, no passado trocavam pau-brasil e terras por espelhos e panelas...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • J

      Jorge Dias

      ± 3 dias

      Fiquei confuso: Se o índio é "inimputável" pela lei 6001/73, como foi que ele comprou ações de empresa?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    • T

      TheFox

      ± 3 dias

      risível e ridiculo.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • Máximo 700 caracteres [0]

    Fim dos comentários.