i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
montadoras

Indústria automobilística quer proteger o mercado brasileiro das importações

Montadoras de outros países "crescem o olho" no Brasil. Em 2009, vendas no país devem crescer 6,7% e passar de 3 milhões

  • PorG1/Globo.com
  • 31/08/2009 15:52

Passada a crise, as montadoras querem proteger o mercado interno que, impulsionado pela prorrogação do desconto do IPI e a volta do crédito, deve crescer 6,7%, em relação ao ano passado, no número de licenciamentos de veículos (automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus), segundo as previsões apresentadas nesta segunda-feira (31) pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), durante o Simpósio SAE Brasil Tendência e Inovação.

De acordo com o presidente da Anfavea, Jackson Schneider, o primeiro desafio do Brasil para blindar as importações é criar condições de competir com seus veículos lá fora. Segundo dados divulgados pela Anfavea, a redução nas exportações deverá superar os 40% anunciados anteriormente. Nos sete primeiros meses de 2009, foram exportadas 237.519 unidades, um declínio de 46,6% em relação ao mesmo intervalo do ano passado.

Schneider afirma que para mudar esse quadro será necessário uma nova estrutura tributária que não exporte veículos com impostos, igualar o produto nacional ao que é oferecido no mercado pela concorrência, melhorar a infraestrutura e a logística do país e criar outros acordos comerciais de isenção de impostos, como os já firmados com a Argentina, México e Chile.

"As exportações são uma defesa do mercado interno, pois quando o país não tem como competir lá fora, ele abre espaço para que veículos importados ocupem o mercado", afirma Schneider que ressalta a invasão das montadoras chinesas e sul-coreanas no Brasil que, mesmo com a alíquota de importação de 35%, desembarcam no Brasil com preços bastante competitivos. "Todo mundo vai querer um pedaço desse mercado, cabe a nós definir qual fatia será oferecida".

O interesse de outros países na indústria automobilística brasileira tem suas razões. Caso a expansão do setor automotivo seja confirmada, a comercialização de veículos - que foi de 2,82 milhões no ano passado - poderá ultrapassar 3 milhões de unidades até o final de 2009. No acumulado do primeiro semestre deste ano foram licenciados 1,73 milhão ante o 1,69 milhão de unidades no mesmo período de 2008, crescimento de 2,4%.

Outro motivo apontado por Schneider é o grande potencial de crescimento do setor automotivo, já que no país há 6,9 habitantes por veículo, enquanto nos Estados Unidos e no Japão essa relação é de 1,2 e 1,7, respectivamente. Na Argentina, país em que o comportamento do mercado é muito próximo ao do Brasil, a média é de 4,8 habitantes por veículo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.