i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Retomada

Indústria brasileira fica mais eficiente na crise

No primeiro trimestre de 2010, a produção por hora paga nas fábricas cresceu 15,9% em relação a igual período de 2009

  • PorAgência Estado
  • 14/06/2010 06:02

A indústria brasileira aproveitou a crise e a retomada do crescimento econômico para ganhar eficiência. No primeiro trimestre de 2010, a produção por hora paga nas fábricas cresceu 15,9% em relação a igual período de 2009. Em relação aos três primeiros meses de 2008, o ganho de produtividade foi de 4,3%.

Aumento de produtividade significa que o custo de produção diminuiu na indústria. Isso permite que o setor absorva melhor aumentos de custo de todos os tipos, inclusive o de salários, além de abrir espaço para queda de preços e aumento da competitividade do produto brasileiro. No entanto, o fôlego extra varia de setor para setor e de empresa para empresa.

Impulsionada pela expansão de 18% na produção industrial, entre o primeiro trimestre de 2009 e o deste ano, a evolução da eficiência nas fábricas veio acompanhada de crescimento de 0,7% no emprego e de 1,8% nas horas pagas. A folha de pagamento cresceu 3,3% acima da inflação do período. Já o custo do trabalho, medido pela relação entre a folha de pagamento real e as horas pagas, subiu 1,5%. A alta de custo foi menor que o ganho proporcionado pelo avanço da produtividade, o que sinaliza que, em média, os aumentos salariais foram concedidos pelas indústrias sem pressões inflacionárias.

As informações constam de um levantamento feito pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento da Indústria (Iedi). Para calcular a produtividade, o Iedi usou como base dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.