i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Emprego

Informalidade sobe acima do PIB

Estudo da FGV mostra que o nível de trabalho informal cresceu 8,7% no período em que o Produto Interno Bruto brasileiro avançou 4,7%

  • PorCristina Rios
  • 28/03/2009 21:02
Enquanto não encontra um trabalho com carteira assinada, Luciana Sipla ganha a vida distribuindo panfletos no Centro de Curitiba | Rodolfo Bührer/Gazeta do Povo
Enquanto não encontra um trabalho com carteira assinada, Luciana Sipla ganha a vida distribuindo panfletos no Centro de Curitiba| Foto: Rodolfo Bührer/Gazeta do Povo

"Bicos" garantem renda para quem não consegue carteira assinada

Quem vai para o mercado de trabalho informal muitas vezes tem dificuldade para voltar à formalidade. Após trabalhar como auxiliar de produção gráfica, Adriana Perazoli, de 35 anos, vive há três anos sem emprego com carteira assinada. Há um mês começou a trabalhar distribuindo o jornal do ônibus, atividade que é complementada com a distribuição de panfletos.

Leia a matéria completa

  • Veja que número de pessoas que vivem do trabalho informal cresceu

A chamada economia informal vem crescendo acima do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos anos. Segundo um estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV), ela cresceu 8,7% em 2007 e até junho de 2008 – último dado disponível – havia avançado 4,7%.

Embora até hoje não haja qualquer cálculo confiável e definitivo que mostre o tamanho da informalidade no país, o estudo da FGV procura fazer um acompanhamento dos rastros deixados por ela para mapear o comportamento em relação ao PIB. A FGV monitora indicadores que influenciam de forma indireta o desempenho da informalidade – entre eles, carga tributária, exportações, corrupção e nível de atividade.

"Percebe-se que a atividade informal é muito mais sensível e a primeira a responder em relação a uma mudança do ritmo. Ela cresce mais do que o PIB quando a economia vai bem e é a primeira a desacelerar quando há desaquecimento", diz o professor Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, um dos responsáveis pelo estudo.

De acordo com a FGV, quanto maior a quantidade de impostos e contribuições, maior o incentivo para que os agentes operem na informalidade. A corrupção também estimula a informalidade, já que diminui as chances de punição de irregularidades – tais como a sonegação de impostos.

No estudo, a FGV utiliza o termo "economia subterrânea" para definir informalidade, entendida como um conjunto de produção de bens e serviços que não é reportada ao governo, com o objetivo de não pagar impostos, evitar o pagamento das contribuições de seguridade social, fugir do cumprimento de leis e regulamentações trabalhistas, dentre outros. Atividades ilegais, tais como o tráfico de drogas, prostituição e contrabando, por exemplo, não foram incluídas no cálculo da entidade.

Segundo o levantamento, em 2005, a informalidade cresceu 10,8%; no mesmo ano, o PIB teve alta de 3,1%. Em 2006, a informalidade subiu 4,1%; o PIB, por sua vez, teve alta de 3,7%.

Importância

Mas, para o professor, a atividade informal não deve ser encarada como um mal para a economia, embora ela tenha efeitos nocivos para a qualidade do emprego e para a geração de impostos. "Combater ferrenhamente a informalidade sem criar políticas específicas para a inclusão desse setor não apenas não resolve o problema como resulta no desaparecimento de empresas, empregos e da produção de bens e serviços importantes para a sociedade. Não há como dizer que a venda de guarda-chuvas em frente às estações de ônibus em dias de chuva não seja importante e útil para a sociedade."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.