112823

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Inteligência Artificial
  4. Computador escritor consegue emplacar conto em concurso de literatura

inteligência artificial

Computador escritor consegue emplacar conto em concurso de literatura

Obra co-escrita por humanos e inteligência artificial passou, pela primeira vez, pela etapa inicial de uma popular premiação japonesa

  • Rafael Waltrick
Máquinas e programas dotados de inteligência artificial já conseguem desempenhar tarefas antes restritas a humanos, como esse robô da IBM, equipado com o sistema de computação cognitiva Watson | LLUIS GENE/AFP
Máquinas e programas dotados de inteligência artificial já conseguem desempenhar tarefas antes restritas a humanos, como esse robô da IBM, equipado com o sistema de computação cognitiva Watson LLUIS GENE/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Computadores e máquinas dotadas de inteligência artificial provaram em várias ocasiões que já conseguem desempenhar com facilidade tarefas antes restritas a humanos. O que inclui disputar uma partida de Go com um campeão mundial, ajudar executivos a tomar decisões estratégicas, encomendar produtos para a sua casa e até mesmo aprender por conta como agir em situações inesperadas.

Agora, cientistas japoneses querem “ensinar” a programas de computador como escrever uma história envolvente e tecnicamente impecável. O primeiro passo já foi dado. Mês passado, uma inteligência artificial conseguiu emplacar, pela primeira vez, um conto em um popular concurso de literatura do Japão. O nome da obra, inclusive, vem bem a calhar: o título é “O dia em que um computador escreveu um conto”.

O texto foi selecionado na primeira etapa do concurso Nikkei Hoshi Shinichi Literary Award, que leva o nome de um escritor japonês de ficção científica. Tradicionalmente, a premiação recebe obras escritas por candidatos humanos e também por programas de computador, mas, no momento da análise, os jurados não recebem qualquer informação extra para fazer essa distinção.

Esta foi a primeira vez que um conto co-escrito por um computador e humanos passou pela primeira fase – neste ano, dos 1.450 contos analisados, 11 ganharam vida com a ajuda de uma inteligência artificial. O trabalho mais árduo, é preciso reconhecer, foi feito pela equipe de cientistas da Universidade do Futuro, sediada na cidade japonesa de Hakodate, no litoral do país.

Os programadores pré-selecionaram uma série de palavras e sentenças e definiram o tema do conto, além de inserir no computador detalhes sobre os protagonistas. Em seguida, a inteligência artificial organizou essas informações para “escrever” o texto final, de forma autônoma.

“O dia em que um computador escreveu um conto” não foi selecionado para as fases seguintes, mas mesmo assim já ficou para a história como mais um exemplo do potencial da inteligência artificial para ajudar os humanos não só em tarefas na indústria (como a automação de linhas de produção) e na análise de dados, mas também em ações mais subjetivas. O sistema de computação Watson, da IBM, por exemplo, consegue criar receitas de refeições, interpretar processos judiciais considerando a jurisprudência existente e analisar a personalidade de uma pessoa por meio de sua escrita.

A última sentença do conto japonês, aliás, é emblemática (e até um pouco assustadora): “O computador, dando prioridade à busca pela própria felicidade, parou de trabalhar para os humanos”.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE