i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
inteligência artificial

Computador escritor consegue emplacar conto em concurso de literatura

Obra co-escrita por humanos e inteligência artificial passou, pela primeira vez, pela etapa inicial de uma popular premiação japonesa

  • PorRafael Waltrick
  • 06/04/2016 09:30
Máquinas e programas dotados de inteligência artificial já conseguem desempenhar tarefas antes restritas a humanos, como esse robô da IBM, equipado com o sistema de computação cognitiva Watson | LLUIS GENE/AFP
Máquinas e programas dotados de inteligência artificial já conseguem desempenhar tarefas antes restritas a humanos, como esse robô da IBM, equipado com o sistema de computação cognitiva Watson| Foto: LLUIS GENE/AFP

Computadores e máquinas dotadas de inteligência artificial provaram em várias ocasiões que já conseguem desempenhar com facilidade tarefas antes restritas a humanos. O que inclui disputar uma partida de Go com um campeão mundial, ajudar executivos a tomar decisões estratégicas, encomendar produtos para a sua casa e até mesmo aprender por conta como agir em situações inesperadas.

Agora, cientistas japoneses querem “ensinar” a programas de computador como escrever uma história envolvente e tecnicamente impecável. O primeiro passo já foi dado. Mês passado, uma inteligência artificial conseguiu emplacar, pela primeira vez, um conto em um popular concurso de literatura do Japão. O nome da obra, inclusive, vem bem a calhar: o título é “O dia em que um computador escreveu um conto”.

Domino’s apresenta robô entregador de pizza

Veículo autônomo será capaz de levar refeições até as casas dos clientes

Leia a matéria completa

O texto foi selecionado na primeira etapa do concurso Nikkei Hoshi Shinichi Literary Award, que leva o nome de um escritor japonês de ficção científica. Tradicionalmente, a premiação recebe obras escritas por candidatos humanos e também por programas de computador, mas, no momento da análise, os jurados não recebem qualquer informação extra para fazer essa distinção.

Esta foi a primeira vez que um conto co-escrito por um computador e humanos passou pela primeira fase – neste ano, dos 1.450 contos analisados, 11 ganharam vida com a ajuda de uma inteligência artificial. O trabalho mais árduo, é preciso reconhecer, foi feito pela equipe de cientistas da Universidade do Futuro, sediada na cidade japonesa de Hakodate, no litoral do país.

Os programadores pré-selecionaram uma série de palavras e sentenças e definiram o tema do conto, além de inserir no computador detalhes sobre os protagonistas. Em seguida, a inteligência artificial organizou essas informações para “escrever” o texto final, de forma autônoma.

“O dia em que um computador escreveu um conto” não foi selecionado para as fases seguintes, mas mesmo assim já ficou para a história como mais um exemplo do potencial da inteligência artificial para ajudar os humanos não só em tarefas na indústria (como a automação de linhas de produção) e na análise de dados, mas também em ações mais subjetivas. O sistema de computação Watson, da IBM, por exemplo, consegue criar receitas de refeições, interpretar processos judiciais considerando a jurisprudência existente e analisar a personalidade de uma pessoa por meio de sua escrita.

A última sentença do conto japonês, aliás, é emblemática (e até um pouco assustadora): “O computador, dando prioridade à busca pela própria felicidade, parou de trabalhar para os humanos”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.