i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Conjuntura favorável

Investidores devem apostar forte nas fintechs brasileiras até o final do ano

  • PorCristina Seciuk
  • 28/10/2019 19:57
Investidores devem apostar forte nas fintechs brasileiras até o final do ano
| Foto: Bigstock

As empresas brasileiras de tecnologia focadas na prestação de serviços financeiros - ou fintechs - devem atrair novos aportes significativos de investidores até dezembro. A conclusão é do relatório Venture Pulse Q3 2019, da KPMG, que aponta as principais tendências, oportunidades e desafios enfrentados pelo mercado.

O segmento, considerado área de investimento especialmente quente em toda a América Latina, teve momento extraordinário no Brasil no segundo semestre, destacadamente a partir do anúncio de dois meganegócios com investidores internacionais: o aporte de US$ 400 milhões recebido do fundo americano TVC pelo Nubank, em julho, e os US$ 250 milhões injetados no QuintoAndar pelo grupo japonês SoftBank, em setembro .

A atratividade do país, de acordo com o sócio-diretor da KPMG Raphael Vianna, tem relação com características de mercado que colocam o Brasil em vantagem ante os vizinhos latinos quando são avaliados por investidores de capital de risco.

Primeiro ponto que vem à mente é o tamanho. Apesar de haver atenções voltadas para outros mercados quando se pensa no segmento financeiro, o Brasil representa 75% da América Latina, oportunidade gigantesca para o desenvolvimento de negócios escaláveis. Há também a considerável fatia de brasileiros desbancarizados. Um em cada três cidadãos brasileiros não têm relação com bancos, somando-se a eles ainda o potencial de outros clientes ou correntistas, que fazem utilização mínima de produtos financeiros ou têm baixo acesso a crédito.

Aqui, Vianna analisa que "é um mercado concentrado ainda, e a gente tem uma diferença muito grande entre a taxa de risco e a taxa em que as pessoas conseguem captar dinheiro. O Brasil está com uma taxa de risco de 5,5% ao ano e as pessoas captam a 2%, 3% ao mês, o spread bancário muito grande", pontua o diretor da KPMG ao traçar um panorama que pode se beneficiar do aumento de concorrência.

Quarto trimestre e adiante

Com base no cenário observado até o momento em 2019, a perspectiva é de que fintechs brasileiras recebam novos investimentos até o final do ano com o incentivo não só do perfil do país, mas também do recuo histórico dos juros, que deve seguir. "Essa queda de juros, no Brasil e no mundo, está gerando muita liquidez nos mercados, então os investidores estão dispostos a correr cada vez mais risco. Quanto mais baixa for essa taxa, mais investimento a gente vai ver", antecipa, "eu espero um quarto trimestre muito forte para venture capital".

Mais a frente, a partir de 2020, a chegada definitiva dos pagamentos instantâneos ao dia a dia do brasileiro também será oportunidade para acelerar o amadurecimento do ambiente - item fundamental para alavancar aportes e novidades. "Os bancos são estruturas muito tradicionais, existe muito espaço para uma disrupção nesse tipo de mercado", comenta Vianna.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.