i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tarifa

Juro do crédito ao consumo bate recorde, aponta pesquisa do BC

Taxa do chamado crédito livre para pessoas físicas subiu de 42,5% ao ano em maio para 43% ao ano em junho

  • PorFolhapress
  • 29/07/2014 10:53

A taxa média de juros nas operações de crédito ao consumo alcançou em junho o maior valor da pesquisa de crédito do Banco Central, iniciada em março de 2011.

A taxa do chamado crédito livre para pessoas físicas subiu de 42,5% ao ano em maio para 43% ao ano em junho. No final de 2013, a taxa estava em 38% ao ano.

O juro do cheque especial chegou a 171,5% ao ano em junho; a do crédito pessoal, a 100,3% ao ano.

No consignado (com desconto na folha de pagamento), a taxa está em 23,6% para servidores públicos, 27,9% para beneficiários do INSS e 32,4% para trabalhadores do setor privado.

Apesar da queda no custo de captação dos bancos desde dezembro, houve aumento do "spread" bancário de 5,5 pontos porcentuais no período.

O "spread" é a parcela da taxa influenciada por fatores como inadimplência, tributos, despesas e o ganho das instituições financeiras.

Inadimplência

O BC informou ainda que a inadimplência para pessoas físicas recuou tanto no crédito livre, de 5% para 4,8%, retornando ao valor de abril, como no direcionado, de 1,9% para 1,7%.

O crédito direcionado é composto pelas operações com juros controlados ou subsidiados, como rural, habitacional, dinheiro do BNDES e microcrédito.

A queda no ritmo da economia e os juros mais altos contribuíram também para nova desaceleração do crédito.O saldo total de operações somou R$ 2,83 trilhões no mês passado (56,3% do PIB), com crescimento de 11,8% em 12 meses.Essa é a menor taxa de expansão da série histórica e está abaixo da previsão do BC para o fechamento do ano, que é um crescimento de 13%.

O crédito ao consumo para pessoas físicas cresce a uma taxa de 5,8% em 12 meses. As operações direcionadas, por outro lado, avançam 28%, puxadas pelos financiamentos imobiliários.

Para as empresas, o avanço foi de 5,1% no crédito livre e 14,8% no direcionado, este último com grande participação do crédito subsidiado do BNDES.

Pacote

A desaceleração do crédito e a queda na inadimplência são fatores que contribuíram para que o BC retirasse na última sexta-feira (25) algumas restrições às concessões para pessoas físicas.A instituição também anunciou incentivos para o crédito. Ao todo, o pacote tem impacto estimado nesse mercado de R$ 45 bilhões.

"O comportamento do mercado de crédito no primeiro semestre do ano evidencia a desaceleração das carteiras com recursos livres e direcionados, em cenário de elevação de taxas de juros e estabilidade da inadimplência", diz o BC no relatório da pesquisa.

"Nesse período, as contratações pelas famílias apresentaram melhor dinamismo que no segmento corporativo, destacando-se os empréstimos consignados, rurais e imobiliários, modalidades de menor risco e prazos mais elevado."

Cheque especial

Entre as principais linhas para pessoas físicas, houve queda no saldo de crédito para compra de veículos (-3%) e uso do cartão de crédito à vista (-5%) no primeiro semestre.

Lideram o crescimento o crédito imobiliário (+29%), cartão de crédito rotativo (+15%), cartão parcelado com e sem juros (+12%), cheque especial (+8,5%) e consignado (+7,3%).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.