O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, voltou a marcar as diferenças entre sua visão sobre a economia e a política econômica do primeiro mandato; da presidente Dilma Rousseff. Em discurso gravado e transmitido nesta terça-feira (12), enquanto começava um dia de agenda cheia em Londres, o ministro atacou o patrimonialismo, defendeu a concorrência, a abertura comercial e a menor participação do Estado na economia, e sugeriu que o incentivo à emissão de títulos privados poderá ser a saída para financiar o novo pacote de concessões em infraestrutura que está para ser anunciado.

“Velhos vícios, notadamente o patrimonialismo, inimigo da concorrência, nos cobram altos preços, em termos de ineficiência e do freio na realização de todo o potencial da nossa população”, diz Levy no vídeo, transmitido no segundo dia do 27.º Fórum Nacional, no Rio de Janeiro.

Não cabe ao governo escrever o libreto ou escolher o tenor, mas
ele deve garantir a iluminação e que o teatro abra no horário certo.

Joaquim Levy ministro da Fazenda.

Segundo Levy, a inclusão social das últimas décadas provocou transformações, mas ainda é preciso enfrentar os vícios históricos, em vez de tentar “contorná-los” com o que chamou de “plêiade de acomodações e programas cujo ônus acaba se tornando impossível de ser suportado pelo Orçamento público”, numa crítica a subsídios do governo.

O ministro criticou a interferência do governo como um todo na economia ao tratar da estratégia da política econômica para depois do ajuste. A nova estratégia “se baseia na avaliação de que o principal papel do governo é criar o ambiente, o palco, para a sociedade e o setor privado desempenharem seu papel”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]