051248

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Livre Iniciativa
  4. Carreira e Concursos
  5. A crise virou do avesso a carreira de engenharia, mas nem tudo está perdido

Expectativa frustrada

A crise virou do avesso a carreira de engenharia, mas nem tudo está perdido

Desde 2014, o número de profissionais de engenharia demitidos é maior que o de contratados, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged)

  • Cíntia Junges
Área que mais forma engenheiros no país, a Engenharia Civil é, de longe,  a modalidade das engenha rias que mais contratou  e demitiu profissionais  desde 2010.  De 2014, o saldo ficou negativo. | Daniel Castellano / AGP
Área que mais forma engenheiros no país, a Engenharia Civil é, de longe, a modalidade das engenha rias que mais contratou e demitiu profissionais desde 2010. De 2014, o saldo ficou negativo. Daniel Castellano / AGP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O agravamento da crise econômica a partir de 2015 e o avanço da Operação Lava Jato foram um balde de água fria na carreira de engenharia. Cinco anos antes, o país falava em déficit e até em apagão de engenheiros. Muitos estudantes apostaram seu futuro profissional na área porque havia oportunidades de sobra para os recém-formados – tinha empresa recrutando profissionais na sala de aula –, e os mais experientes eram disputados com altos salários, o cenário dos sonhos para qualquer profissional. Mas o mercado de trabalho virou do avesso com a crise e as oportunidades praticamente desaparecerem.

VEJA OS NÚMEROS: as áreas da engenharia que mais contrataram e demitiram desde 2010

Embora o desemprego tenha atingido todas as categorias profissionais, para os engenheiros ficou a frustração, traduzida nos números do Cadastro Geral de Empegados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego.

Até 2013, o saldo entre os engenheiros com carteira assinada admitidos e desligados era positivo. A partir de 2014, ano dos primeiros sinais da crise econômica, o número de profissionais demitidos superou o de contratados, com 42 mil engenheiros na fila do desemprego na soma de 2015, 2016 e acumulado de 2017 até agosto.

Em apenas quatros dos 27 estados brasileiros o número de engenheiros contratados foi maior do que o de demitidos neste ano e, mesmo assim, com um saldo pequeno: Mato Grosso, Acre, Tocantins e Amapá. No Paraná, entre admitidos e desligados, 120 profissionais perderam o emprego este ano – em 2015 e 2016, foram 1.377.

LEIA TAMBÉM: A profissão que tem tudo para ser a melhor aposta para 2018

Os dados do Caged são compatíveis com a queda no número de ARTs (Anotação de Responsabilidade Técnica), explica Leandro Grassmann, diretor financeiro do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR). Em toda obra ou serviço que exige acompanhamento de um engenheiro, o profissional é obrigado a recolher uma ART, ou seja, um volume maior de ARTs denota um mercado de trabalho mais aquecido.

“Temos vários termômetros que sinalizam que o mercado retraiu, mas o principal deles foi a queda das ARTs a partir de 2014, quando tivemos um pico de 398 mil ARTs emitidas em todo o Paraná, cerca de 190 mil só na modalidade de Engenharia Civil. Depois disso, só caiu”.

Das 64 modalidades da engenharia listadas pelo Caged, apenas 13 estão com saldo de contratações e demissões timidamente positivo em 2017, entre elas, Engenharia de Tempos e Movimentos, Engenharia Civil na área de Saneamento, Engenharia de Sistemas Operacionais de Computação, Engenharia de Pesca, Engenharia Ambiental e Engenharia de Alimentos.

Esses setores, contudo, não são os que mais demandam engenheiros. As 10 áreas que mais contrataram neste ano são também as que mais demitiram. A Engenharia Civil sem especializações é, de longe, a modalidade das engenharias campeã neste movimento em 2017, acumulando, até agosto, um saldo negativo de 2,3 mil profissionais – em 2015, foram 7,2 mil demitidos e, em 2016, 6,2 mil engenheiros civis perderam o emprego no país.

Além de ser a área que mais forma engenheiros no país, seguida de Agronomia e Elétrica, a Engenharia Civil é também a que mais emprega no Brasil, pois é muito demandada para projetos domésticos – como reformas, construções e regularizações – que também reduziram drasticamente com a crise, acompanhando a desaceleração da construção civil.

Diante das dificuldades das empresas para manter seus projetos, muitos profissionais acabaram demitidos e o número de recém-formados que deixou a faculdade sem conseguir um emprego na área também cresceu. Teve muito diploma de engenharia voltando para a gaveta.

A expectativa virou frustração

Em cinco anos, a expectativa virou frustração para a engenheira civil Lidianara Rosa.  Quando entrou na faculdade, em 2010, as perspectivas eram as melhores possíveis, mas quando saiu o cenário era outro.

Quando a crise começou, em 2014, ela cursava o último ano do curso na PUCPR. Com a rotina puxada do fim da graduação, teve de deixar o estágio em uma construtora de Curitiba na qual tinha promessa de contratação. Depois, já formada, chegou a fazer entrevistas em outras empresas da capital, mas não foi chamada e começou a fazer trabalhos por conta.

Em meados de 2015, abriu uma empresa de serviços de engenharia para poder emitir nota fiscal. A renda, conta ela, não passava de R$ 2 mil, muito abaixo do piso de engenheiro, que é de R$ 8,4 mil para 8 horas de trabalho. “Nesse período, meu pai continuou me ajudando financeiramente com as contas básicas”.

A situação, que já estava difícil, ficou ainda pior em 2016. A demanda caiu muito e, no começo deste ano, ela precisou retornar a Jaguariaíva, no interior do estado, para ajudar a tocar a sorveteria da família depois que o pai ficou doente. A engenharia, por enquanto, está em stand by, com um projeto aqui e outro ali. Embora tenham aparecido alguns trabalhos em Curitiba, o plano é transferir a empresa da capital para o interior, onde ela acredita que há mais potencial. Mas “certo mesmo, neste momento, só a sorveteria da família”, diz Lidianara.

Problema temporário, efeitos permanentes

A retomada da economia, quando vier de forma consistente, deve reaquecer o mercado de engenharia, trazer de volta os investimentos em infraestrutura e, consequentemente, aumentar a demanda por engenheiros de várias modalidades, especialmente de Civil, acredita o setor. Contudo, alguns efeitos negativos da crise vão permanecer no mercado de trabalho de engenharia, tanto para empresas quanto para profissionais.

Do lado das empresas, é provável que alguns setores da economia, especialmente os mais tecnológicos, tenham dificuldades para recontratar bons profissionais, avalia Grassmann. Ele cita como exemplo a área de engenharia consultiva para grandes obras (barragens, represas, hidrelétricas, eólicas, pontes e viadutos), que sofreu muito com a crise e manteve apenas alguns poucos profissionais subutilizados, ma com alto nível de conhecimento.

“É muito comum que esses profissionais migrem para o mercado financeiro, pela capacidade de análise e raciocínio. Os engenheiros muito especializados foram para o exterior e só tendem a retornar mediante boas propostas”, diz ele.

O primeiro gap, portanto, é mobilizar novamente a força de trabalho, e isso pode custar caro para as empresas, considerando que muitas já haviam investido alto na qualificação desses engenheiros.

Para os profissionais menos experientes e qualificados, além da dificuldade para voltar ao mercado, há uma tendência de redução dos salários, “uma questão de oferta e demanda, lei básica do mercado”, segundo Grassmann. Em 2012, um dos anos de alta da profissão, os salários dos recém-formados ficavam entre R$ 5 mil e R$ 8 mil. Agora, devem ficar bem abaixo disso.

Outro aspecto é que a retomada pós-crise nem sempre ocorre nos setores que estavam aquecidos antes da desaceleração. Em tese, portanto, o profissional mais generalista terá um leque mais aberto de oportunidades que podem ser convertidas em um emprego, lembra Grassmann.

Modalidades da engenharia que mais demitiram e contratam desde 2010:

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE