Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Finanças

Com turbulência no mercado financeiro, veja como investir sem perder dinheiro

Renda fixa está pagando pouco, mas Bolsa oscila muito. Veja dicas para saber como investir seu dinheiro

  • Folhapress
Bolsa: investimento em alta, mas com muita emoção | Rovena Rosa/Agência BrasilRovena Rosa/Agência Brasil
Bolsa: investimento em alta, mas com muita emoção Rovena Rosa/Agência BrasilRovena Rosa/Agência Brasil
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A turbulência vivenciada pelo mercado financeiro nas últimas seis sessões colocou os investidores diante de um dilema: a renda fixa paga pouco, mas a Bolsa está dando muita emoção para quem busca, aos poucos, migrar para o mundo das ações em troca de ganho maior.

Não há uma receita que se aplique a todos os investidores. Mas a diversificação dos investimentos acaba sendo a recomendação principal.

LEIA TAMBÉMO que vai acontecer com o melhor investimento de 2018 até agora

“O ponto principal é manter uma carteira diversificada. Alinhar os objetivos para cada investimento [compra da casa própria, viagem ao exterior], conhecer seu perfil de risco [mais conservador, moderado ou arrojado] e montar uma carteira que inclua todos esses fatores”, afirma Vinicius Maeda, diretor da plataforma Magnetis.

Isso significa dividir o dinheiro entre alternativas conservadoras, como poupança e renda fixa, mas também colocar uma parte dos recursos em ações ou fundos multimercados.

Confira orientações para investir em poupança, renda fixa ou em ações

Poupança

A caderneta é uma das aplicações mais procuradas pelos brasileiros. Mas, com o juro básico a 6,75% ao ano, a poupança rende 70% da Selic mais TR (Taxa Referencial). Em fevereiro, isso significa um rendimento de 0,399%.

"O dinheiro da poupança é aquele para emergência e para situações que exigem facilidade de resgate. Mas, se tiver algum recurso que possa contar com um horizonte superior a 12 meses, vale migrar da caderneta", afirma André Diz, professor de economia do Ibmec/SP.

Renda fixa

A renda fixa acaba sendo um dos destinos naturais de quem tem pouco sangue frio para tolerar as oscilações do mercado acionário.

Mas, também como efeito da queda da taxa básica de juros, a rentabilidade dos produtos conservadores está bem aquém dos dois dígitos registrados até o fim de 2016. Em alguns casos, lembra Vinicius Maeda, da Magnetis, podem render menos que a poupança, após o desconto do Imposto de Renda.

"O investidor com pouco dinheiro tem à disposição apenas papéis com retorno baixo, como CDBs que remuneram 80% do CDI e que, após o IR, rendem menos que a poupança", afirma.

Se quiser um retorno maior, o investidor terá que se arriscar mais. Isso significa comprar CDBs ou outros produtos emitidos por bancos menores, que remuneram mais para compensar o risco de quebra.

Papéis isentos de IR, como LCIs e LCAs (letras de crédito imobiliário e do agronegócio, respectivamente), são opções, mas podem ser difíceis de encontrar no mercado.

Ações

Quem comprou ações aproveitando a valorização dos papéis da Bolsa de São Paulo até o início do ano deve manter a calma, de acordo com Francisco Levy, diretor da associação Planejar, de planejadores financeiros.

Mas o investidor que quer começar a comprar papéis pode aproveitar as quedas recentes do mercado, diz.

"A Bolsa vai ter uma realização, o que é uma oportunidade de entrada, pois está com um preço menor que antes", afirma. A perspectiva de retomada da economia deve impulsionar os lucros de empresas e contribuir para a valorização da Bolsa neste ano.

É preciso ter cuidado, porém. Não se deve descartar o risco eleitoral, que deve provocar novas oscilações no mercado, especialmente mais para o segundo semestre do ano, conforme a disputa fica mais clara em torno dos candidatos mais fortes.

Aqueles que não quiserem entrar diretamente na Bolsa podem fazer a transição via fundos multimercados, complementa Levy. Eles costumam ter uma parte da carteira em renda fixa, mas com liberdade para comprar ações, juros e moeda, por exemplo.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Economia

PUBLICIDADE