i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Finanças

Como voltar das férias com dinheiro no bolso

Parte do valor somado à remuneração antes da folga é descontada no mês seguinte. Por isso, o trabalhador precisa planejar as finanças

    • Agência RBS
    • 13/12/2017 17:52
    A CLT prevê o depósito antecipado da remuneração referente ao número de dias de descanso — adicionado de uma bonificação de um terço do salário, horas extras e comissões. E é aí que mora o perigo. | Bigstock
    A CLT prevê o depósito antecipado da remuneração referente ao número de dias de descanso — adicionado de uma bonificação de um terço do salário, horas extras e comissões. E é aí que mora o perigo.| Foto: Bigstock

    A empolgação pela chegada das férias pode mascarar uma armadilha pronta para pegar os trabalhadores menos preparados financeiramente. E o resultado pode ser uma volta do descanso com uma bomba de endividamento pronta para explodir no orçamento familiar.

    Isso pode acontecer porque a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) prevê o depósito antecipado da remuneração referente ao número de dias de descanso — adicionado de uma bonificação de um terço do salário, horas extras e comissões. E é aí que mora o perigo.

    O contracheque vem gordo. Mas essa percepção é ilusória, porque, no contracheque seguinte, o adiantamento de salário recebido antes da saída em férias será descontado. Apenas o um terço adicional não é descontado, porque é um bônus.

    LEIA TAMBÉM: Sexto lote do abono salarial sai a partir desta terça (12); veja se você tem direito

    “Com certeza, pode ser uma armadilha. O valor adicional nesse contracheque, um terço sobre o salário e gratificações, é bem superior ao que o trabalhador está acostumado a ganhar por mês. Por isso, muitas pessoas acabam retornando das férias endividadas. Ainda mais nesse período, em que se relaxa nos gastos”, diz o educador e terapeuta financeiro Leandro Rodrigues.

    O ideal é deixar o valor das contas reservado

    A regra vale para todos os trabalhadores regidos pela CLT. No caso dos servidores públicos, há diferenças, dependendo do regime ao qual estão submetidos: municipal, estadual ou federal. Mas o direito de 30 dias de férias e de adicional de um terço não mudam por estarem na Constituição.

    Segundo Rodrigues, a saída é colocar na ponta do lápis todas as despesas do mês, custos fixos (aluguel, condomínio, prestação do carro e mensalidade da escola) e variáveis (água, luz e telefone). E, com isso, já reservar o valor necessário para o mês seguinte antes de fazer qualquer coisa com o dinheiro. 

    Mas isso é uma ação emergencial, para tentar evitar um rombo nas contas. O correto, mesmo, é ter planejamento desde o início. “O legal é começar a planejar as férias cedo, com antecedência. Vai viajar? Então, é preciso prever um valor para isso e começar uma reserva para quando chegar a hora do descanso”, orienta o educador.

    LEIA TAMBÉM: Fundos multimercado são os novos queridinhos dos investidores brasileiros

    Fique por dentro dos direitos do empregado, já com a reforma trabalhista

    - Nos primeiros 12 meses de trabalho, o empregado com carteira assinada ganha o direito de tirar 30 dias

    de férias;

    - Nos 12 meses seguintes, o empregador deve, obrigatoriamente, conceder ao trabalhador estes dias de folga remunerada;

    - Caso isso não ocorra, o empregador terá de pagar o dobro da remuneração;

    - O costume estabeleceu que o período de férias é definido por acordo entre empregado e empregador, mas quem dá a palavra final de quando o empregado irá tirar férias é a empresa;

    - As férias não podem começar em domingos ou feriados;

    - A lei permite ao empregado “vender” 10 dias dasférias à empresa e converter esse período em dinheiro.

    Fracionamento

    - Com a reforma trabalhista, desde que haja concordância do empregado, asférias podem ser concedidas em até três períodos, desde que um deles não seja inferior a 14 dias e os demais não inferiores a cinco dias corridos;

    - Exemplos: férias de 14 dias + 7 dias + 9 dias ou férias de 14 dias + 5 dias + 11 dias.

    Adicional de férias

    - Além da remuneração mensal que o trabalhador tem direito no período das férias, o empregador paga adicional de um terço do salário;

    - Os adicionais por trabalho extraordinário, noturno, insalubre ou perigoso serão computados no salário que servirá de base ao cálculo da remuneração do terço de férias;

    - O adicional de um terço do salário é isento de INSS e de Imposto de Renda porque é considerado “indenização”, e não salário;

    - O salário e o adicional devem ser pagos até dois dias antes do início das férias;

    - Se esta data cair em um final de semana ou feriado, o pagamento deve ser antecipado.

    Vendas das férias

    - O trabalhador pode converter uma parte das férias em dinheiro,prática chamada abono.Massó pode fazer isso com, no máximo, um terço das férias, ou seja, 10 dias;

    - Trata-se de um direito do empregado. Mas o empregador não pode obrigá-lo a venderférias. No trabalho intermitente (esporádico, no qual o empregado só é pago pelos dias ou horas em que atuou);

    - Ao completar oserviço,o empregado tem de receber pelo período férias proporcionais com acréscimo de um terço;

    - A cada 12 meses,o empregado tem direito a tirar, nos 12 meses seguintes, um mês sem ser convocado para prestar serviços pelo mesmo empregador;

    - Se o trabalhador foi convocadoa trabalhar três meses em um ano, terá direito a 3/12 avos de férias quando fechar um ano. Ou seja, terá de ficar oito dias sem trabalhar.

    Quantidade de dias de férias

    A cada 12 meses de contrato de trabalho, o empregado tem direito a férias, na seguinte proporção:

    - Até cinco faltas ao serviço: 30 dias de férias;

    - De seis a 14 faltas ao serviço: 24 dias de férias;

    - De 15 a 23 faltas ao serviço: 18 dias de férias;

    - De 24 a 32 faltas ao serviço: 12 dias de férias;

    - Acima de 32 faltas ao serviço : sem direito a férias;

    - É proibido descontar das férias as faltas do empregado.

    Michelle Schroeder-Gardner consegui pagar tudo o que devia e ainda transformar o blog em negócio quando mudou seu foco...

    Publicado por Vida Financeira e Emprego em Terça-feira, 12 de dezembro de 2017
    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.