i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Dívidas

Mais de metade de consumidores que limpam o nome voltam para o cadastro do SCPC

  • PorDiário de São Paulo/O Globo Online
  • 20/08/2006 14:46

Depois de perder o emprego e também extrapolar os gastos com o cartão de crédito, o auxiliar administrativo Paulo Roberto Campos Nascimento, de 26 anos, descobriu na prática como é ficar inadimplente e ter o nome incluído no cadastro do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC).

- Não pude fazer compras no crediário e nem pedir empréstimo - conta Nascimento, que só limpou o nome quando conseguiu um novo emprego.

Passados 12 meses de nome limpo na praça, o descontrole no Orçamento e os cheques devolvidos levaram o auxiliar Administrativo a engrossar pela segunda vez o cadastro negativo do comércio.

- Agora vou acertar tudo o que devo porque quero comprar um apartamento, e meu nome precisa ficar limpo em no máximo 30 dias - diz.

Os números da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostram que a situação de Nascimento é cada vez mais comum na Capital. Mais da metade dos consumidores que consegue limpar o nome volta para a lista de devedores depois de 12 meses.

Os motivos são diversos: desemprego, despesas com doença ou simplesmente descontrole do orçamento.

- O que percebemos cada vez mais é que as pessoas que vão atrás dos credores para renegociar não se programam e, diante de imprevistos no meio do caminho, param de pagar as parcelas e sujam o nome novamente - afirma a gerente do núcleo de negócios de pessoa física da ACSP, Roseli Garcia.

Em julho, 304.628 pessoas saíram do cadastro do SCPC mas, daqui a

um ano, a previsão é de que 58% delas (176.684) voltem para o cadastro negativo (veja quadro nesta página). Um mês depois, pelo menos 15% acabam caindo na mesma armadilha.

Segundo a gerente da ACSP, o crédito com desconto em folha — para trabalhadores e aposentados — ajudou milhares de consumidores a complementar o orçamento e pagar dívidas em atraso.

- O consignado apenas aliviou um problema maior que é a renda apertada do trabalhador. Muitas pessoas que recorreram a esse empréstimo voltaram a acumular novas dívidas - explica Roseli.

Para o professor de finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Luiz Carlos Ewald, a causa do número elevado de pessoas que retornam ao SCPC é a falta de educação financeira.

- Nem sempre ter o nome sujo uma vez é um susto suficiente para acertar as contas e fazer um orçamento adequado às despesas do mês, o que explica porque milhares de pessoas ficam inadimplentes mais de uma vez - argumenta.

Uma das saídas para o comércio, segundo Ewald, é melhorar as referências na concessão do crédito e investir na criação do cadastro positivo — medida que deverá ser anunciada pelo Governo nos próximos dias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.