i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Crítica

Mantega classifica medidas do Fed de protecionistas

Ele disse ao Financial Times que a a terceira rodada de relaxamento quantitativo da política monetária do banco vai dar início a uma nova "guerra cambial"

  • PorAgência Estado
  • 20/09/2012 12:12

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse, durante entrevista concedida nesta quinta-feira (20) ao Financial Times, que a terceira rodada de relaxamento quantitativo da política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos)é "protecionista" e vai dar início a uma nova "guerra cambial", com consequências potencialmente desastrosas para o resto do mundo.

"É preciso entender que haverá consequências", disse o ministro acrescentando que o programa de estímulo à economia do Fed "terá apenas um benefício marginal nos EUA, já que não há falta de liquidez. A liquidez não está indo para a produção". Para ele a chamada QE3 está deprimindo o dólar e impulsionando as exportações norte-americanas.

Segundo Mantega, o anúncio do Fed causou até agora apenas uma mudança nas expectativas. "A aversão ao risco caiu, e o instinto animal dos mercados cresceu", diz o ministro. Para ele, "as empresas japonesas já estavam reclamando da taxa de câmbio forte. Se um dólar mais fraco levar a uma intensificação da concorrência no comércio, isso também obrigará o Brasil a adotar medidas para impedir que o real se fortaleça".

"Eu diria que hoje a moeda está em um nível razoável, ainda sobrevalorizada frente a uma cesta de moedas dos parceiros comerciais do Brasil, mas, nos níveis atuais ela está ajudando a tornar as empresas brasileiras mais competitivas. Os EUA, a Europa e o Reino Unido são mais protecionistas do que o Brasil", acrescentou Mantega.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.