i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
desaceleração

Meirelles prevê meta de inflação menor para 2009

  • PorAgência Brasil
  • 15/12/2008 15:53

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira (15) que a meta de inflação para o ano que vem será "substancialmente" menor que a de 2008.

Segundo ele, com a esperada desaceleração da economia em 2009, é natural que a taxa a ser perseguida pelas autoridades monetárias seja mais baixa que a atual, de 4,5% ao ano, com margem de 2 pontos percentuais para cima ou para baixo.

"Não seria uma surpresa que o número fosse substancialmente menor do que o de 2008, pois há uma desaceleração da economia brasileira, não há dúvida", disse, em palestra para analistas econômicos, em São Paulo.

Na palestra, Meirelles voltou a afirmar que o Brasil está mais bem preparado para enfrentar a atual crise econômica, mas que é preciso que o governo e o Banco Central estejam atentos para que o problema não acabe causando conseqüências maiores que as previstas.

"A situação precisa ser gerenciada com muito cuidado para não gerar disfuncionalidades que piorem ainda mais a situação", disse.

O presidente do BC falou ainda que, apesar da crise ser global, ela atinge países de forma distinta. Segundo ele, cada governo, inclusive o brasileiro, tem que avaliar sua situação, em particular, para tomar as medidas necessárias para minimizar os problemas.

"A crise atinge vários países de maneira diferente. Portanto, precisamos ter muito cuidado para não prescrevermos ´remédios´ iguais", afirmou Meirelles. "Temos que trabalhar com o ´remédio´ mais preciso [para a economia do Brasil]."

Quanto aos impactos negativos da crise no Brasil, Meirelles afirmou que a escassez do crédito está acabando e o nível de empréstimos concedidos a empresas exportadoras, voltando à normalidade.

De acordo dados divulgados pelo BC, na última semana de novembro, a média dos Adiantamentos de Contratos de Câmbio (ACC) registraram valor maior do que a maior média verificada durante todo o ano.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.